Moonscape – Havard

Por: (Arte Metal)

Havard Lunde é o multi-isntrumentista por trás da grata surpresa norueguesa chamada MOONSCAPE. Com a ajuda de outros músicos, que participaram do trabalho (confira os nomes no final da entrevista, Lunde criou uma sonoridade que é voltada ao atmosférico e progressivo, com toque de Metal extremo. Com o álbum conceitual “Entity”, lançado no último dia 2 de outubro, o projeto alçou seu primeiro vôo e promete surpreender ainda mais. Havard falou com o PORTAL DO INFERNO sobre tudo que envolve o disco, incluindo seus fantasmas particulares que inspiraram a história do trabalho, que consiste em um homem que não se atreve mais a enfrentar o mundo ao seu redor e acaba enfrentando as consequências desse isolamento.

 

Quando você criou o MOONSCAPE, todo o conceito por traz do trabalho já estava pronto ou você foi desenvolvendo isso depois de montar o projeto?

Havard Lunde: Eu tive a idéia de um projeto solo por muitos anos, mas nunca consegui formalizar isso até fevereiro de 2015, quando comecei a escrever o álbum “Entity”. Fiz música há muitos anos, desde que comecei a tocar em bandas em 1995, mas nunca consegui encontrar a inspiração para começar a trabalhar em um álbum como fiz com esse. Eu sou um grande fã de AYREON, e a maneira como ARJEN LUCASSEN faz as coisas funcionarem em seus álbuns. Ao mesmo tempo, sempre fui fã de DAN SWANÖ e seu trabalho com EDGE OF SANITY, NIGHTINGALE etc., especialmente no álbun “Crimson” (1996). Eu também tenho uma queda pelo Rock Progressivo dos anos 70, então a idéia de uma composição em grande escala veio naturalmente.

Aliás, sonoramente falando, você já tinha qual proposta ia seguir?

Havard: Na verdade, o único objetivo que tive era ter um álbum com uma atmosfera, mas nada mais detalhado do que isso. Claro que eu fiz algumas decisões sobre os detalhes sobre a panorâmica e tudo isso, mas a mistura principal e a atmosfera que você pode ouvir são feitas por Shaun Rayment (ENOCHIAN THEORY).

Como você criou a história por traz do disco? O que há de real e o que há de ficção em “Entity”? É algo pessoal?

Havard: O conceito realmente se desenvolveu todo o tempo, durante os dois anos necessários para fazer o álbum, e ainda estou descobrindo novos elementos e como posso me relacionar com toda a história. Eu realmente escrevi toda a música no início, e senti que quase escrevi uma história já, sem ter adicionado nenhuma palavra para ele ainda. Quando comecei a fazer as letras, acabei de escrever palavras que caiam bem com a música, sem pensar no que diziam. Mas de alguma forma elas realmente fizeram muito sentido para mim, então eu percebi que elas tinham que vir de algum lugar. É tudo pessoal, mas há muitas metáforas que espero que ajude o ouvinte a se relacionar também. Acho que todos têm seus demônios e, em breve, este álbum será a história sobre como venci um dos meus demônios.

E onde você acha que a história se encaixa no mundo atual? Afinal, estamos vivendo em uma era bem individualista, você não acha?

Havard: Como mencionei anteriormente, acho que todos podem se relacionar com a história de alguma forma, e todos têm seus demônios, seja ela solidão, isolamento, depressão, etc. Um demônio vem de muitas formas, e para ser sincero, o meu veio de todos deles. Quando você se isola, fica solitário e, quando fica solitário, começa a pensar demais. Pensar demais leva você a uma depressão, e é aí que seus demônios começam a aparecer.

Voltando à sonoridade, “Entity” soa bem versátil, passando por parte mais suaves que se contrastam com outras mais agressivas, isto é, tendo elementos desde o Progressivo, Metal e Black Metal. Enfim, qual é a fórmula disso tudo?

Havard: A fórmula é que não há fórmula, eu acho (risos)! Eu queria fazer a melhor música que eu pudesse, e eu queria incorporar coisas diferentes que poderiam lhe dar textura e atmosfera. Essas são ferramentas importantes quando você quer contar uma história, e posso dizer honestamente que senti que fiz isso mesmo antes de começar a escrever letras. Como mencionei antes, adoro EDGE OF SANITY, e queria combinar guitarras pesadas com melodias agradáveis, mas também combinar outros estilos inspiradores, como Doom Metal, Rock Progressivo e coisas mais sinfônicas. Provavelmente parece um caos completo, mas acho que consegui equilibrar tudo muito bem (risos)!

O disco tem a participação de diversos músicos, aliás, mais de uma dezena deles. Como surgiram os convites e como foi organizar e trabalhar com eles?

Havard: Percebi cedo que não conseguiria fazer todos os solos, então comecei a olhar em torno de alguns possíveis candidatos. Eu queria ter alguém que tivesse seu próprio som, mas que também poderia encaixar as diferentes partes da música, onde havia uma abertura para um solo. Andreas Jonsson (ex-ARCHITECT) foi o primeiro, então Alex Campbell (SEEK IRONY) gravou alguns solos e, no final, acho que acabei com sete guitarristas, dois tecladistas, três cantores, um saxofonista e uma pianista. Encontrei a maioria deles através de grupos do Facebook, fóruns de violão, etc.

Você acredita que as participações destes músicos ajudaram a moldar a sonoridade apresentada no trabalho?

Havard: Nenhuma dúvida sobre isso! Sinceramente sinto que levaram toda a música para um nível totalmente novo. Eu escrevi as letras, a música e arranjei tudo, mas essas contribuições tornaram o álbum ótimo. Depois de cerca de 27 minutos de música, há uma “batalha” solo de guitarra de cinco partes, que simboliza a batalha entre o protagonista e seu demônio. Esses bits mostram alguns trabalhos de guitarras realmente excelentes, e são coisas assim que realmente ajudam a adicionar textura musical à história. O mesmo aconteceu quando Sean Winter fez seu solo de saxofone apenas alguns segundos após a mencionada “batalha”. Esses são apenas dois exemplos de seções em que os instrumentos realmente trazem o que está acontecendo na história.

“Entity” não foi lançado oficialmente e sai no dia 2 de outubro (entrevista feita no dia 26 de setembro). Porém, você já o divulgou pra imprensa. Qual o ‘feedback’ que o trabalho tem tido até então e qual a sua própria impressão?

Havard: O feedback foi fenomenal! Estou realmente impressionado com as ótimas críticas que recebi até agora. Recebi a pontuação total de quase todos eles, então estou muito feliz com a forma como as coisas estão acontecendo. Eu só queria fazer um álbum com o qual eu ficaria feliz, e se outras pessoas gostassem também, isso seria apenas um bônus. Mas agora eles estão chamando o álbum de uma obra-prima, então eu acho que eles devem estar gostando do que estão ouvindo (risos)!

Muito se fala que a Escandinávia respira Metal, aliás, é que se imagina aqui no Brasil, que o estilo é bem popular por aí? Isso realmente acontece? Como está o cenário do Metal na Noruega?

Havard: A julgar por todos os zines grandes e pequenos que posso ver na internet, a cena do Metal no Brasil é bastante forte. O nome mais conhecido do Metal brasileiro, pelo menos para mim, sempre foi o SEPULTURA. A cena norueguesa é tão importante com bandas como SATYRICON, DIMMU BORGIR, EMPEROR, LEPROUS, MIND PAGAN, etc. Eu devo confessar que não sou um fã realmente de nenhum deles, pois eu prefiro o rock dos anos 70 como YES, DEEP PURPLE, BLACK SABBATH, etc.

Por fim, o que você conhece ou acompanha do Metal brasileiro?

Havard: Muito pouco, tenho vergonha de admitir! O Metal brasileiro, para mim, sempre foi sinônimo de SEPULTURA, mas foi apenas recentemente que comecei a analisar o que o resto do mundo tem para oferecer. Fiquei um pouco preocupado com a minha própria música que não tive tempo de descobrir coisas novas até agora. Uma coisa que me parece é a quantidade de zines undergrounds que estão surgindo no Brasil, e isso é incrível! Eles estão mantendo o espírito vivo, e isso é o mais importante de todos.

Link sobre a banda:

Facebook

Comentários

Você também pode se interessar por...