Sunrunner – Joe

Por: (Arte Metal)

Os norte-americanos do Sunrunner aportaram no Brasil no último mês de agosto e estreitaram seus laços com os fãs tupiniquins. Laços estes que praticamente não existiam, antes de o trabalho do grupo ser divulgado pela assessoria especializada Som do Darma. Divulgando seu terceiro álbum, Heliodromus, o agora trio David Joy (vocal/baixo), Joe Martignetti (guitarra/bouzouki/flautavocal) e Ted MacInnes (bateria/percussão,vocal) já trabalha em um outro disco, e tem nosso país como um de seus novos ‘xodós’. Confira abaixo a conversa com Martignetti, e saiba tudo sobre tais fatos, entre outros.

Primeiramente como se deu essa proximidade com o Brasil somente agora no lançamento do terceiro álbum Heliodromus (2015)?
Joe Martignetti:
Bem, eu tenho certeza que somos relativamente desconhecidos no Brasil. Então, não havia uma relação estreita. Mas queremos chegar mais perto das pessoas aí. Nós temos mais em comum com as pessoas que gostam de Metal clássico e Prog Rock. Não há muito disso por aqui.

E como se sentiram ao lidar com o público brasileiro e terem a oportunidade de passar por aqui?
Joe:
O público brasileiro foi incrível! As pessoas pareciam interessadas em nós! Nesse caso não estamos acostumados. Então, foi ótimo saber que as pessoas se preocupavam com a nossa música. Assim que desembarcamos, houve entrevistas e fotos e as pessoas fazendo perguntas. As pessoas foram tão amigáveis e divertidas!

Falando agora do mais recente trabalho, Heliodromus, como foi a aceitação do mesmo até então e como vocês o veem atualmente, já que o disco saiu no ano passado?
Joe:
Bem, agora que estamos oficialmente como um trio, a forma de compor deve ser um pouco diferente. Um pouco mais fácil, na verdade (risos)! Então, vamos ver que tipo de registro podemos fazer, simplificado para apenas 3 pessoas. Nós estamos um pouco nervosos em tomar esta estrada em primeiro lugar. Mas as pessoas parecem gostar mais. E nós também! Por enquanto, pelo menos. Estamos desfrutando o som aberto e, na verdade, mais pesado do terceiro disco. Quero ver quando tocarei harmonias com outro guitarrista novamente. Mas, por agora, Dave tem trazido algumas de suas linhas de baixo para harmonizar comigo. É muito legal!

E qual foi o principal ponto a se atingir com Heliodromus em questão de sonoridade? Enfim, como vocês o definiriam?
Joe:
O ponto principal foi a equilibrar Heavy Metal e Rock Progressivo. Doom e velocidade. Mito e realidade. Moderno e antigo. E, claro, para escrever o melhor material que poderíamos imaginar.

Qual a principal diferença do último álbum em relação aos anteriores?
Joe:
Principalmente o som. Em Time In Stone (2013) tentamos obter uma produção dos anos 70, mas não soou como queríamos. Foi boa, mas acertamos mesmo em cheio com Heliodromus. As composições foram feitas com o mesmo objetivo em mente. Mas talvez nós inconscientemente escrevemos músicas mais pesadas, porque a gravação anterior não parecia tão pesada como queríamos. Mas esse é o truque quando se tenta fazer Rock / Metal com vibração dos anos 70. É um equilíbrio delicado. Não quero que soe como o Metal soa hoje, mas se você torná-lo muito suave, bem, então não é muito Metal. Então, é uma coisa complicada.

Sunrunner

A banda faz uma mescla interessante de Heavy Metal, Progressive Rock, Folk e se prestar bastante atenção estilos como Doom Metal e Stoner também têm alguns elementos em sua música. Estes são os estilos que os influenciam?
Joe:
Absolutamente. É exatamente isso. É por isso que os 2 primeiros registros talvez sejam um pouco confusos para as pessoas (risos)! Tentando encontrar o equilíbrio novamente. Queremos ter um som progressivo psicodélico como Yes ou Pink Floyd, ou partimos para o Sabbath. Estes são os nossos tipos favoritos de música, então nós tentamos combinar o som. E em cima disso, eu sou um fã de ambos, Doom e Speed Metal. Estilos bem opostos, é claro! Então, como adicionar partes disso tão bem?

Em meio ao peso das guitarras e instrumentos elétricos vocês incluem flautas, violino, guitarra braguesa e percussão. O quão trabalhoso é incluir estes instrumentos em suas músicas e como trabalham para que isso não soe excessivo?
Joe:
Praticando, em vez de ter um tecladista fazendo alguns sons frescos e material estranho, preferimos usar instrumentos reais orgânicos. Bem, há algumas partes de sintetizadores, mas não muitas. E mais uma vez… equilíbrio! Queremos que o foco principal fique no Rock / Metal. Somente quando uma parte pede é que realmente usamos alguma coisa. E então, nós pensamos o que fazer. O que quer dizer que se torna o instrumento que escolhemos. Flauta é muito antiga, bouzouki um pouco exótico, synth é futurista etc. Mas, quanto mais se compõe, mais incrementação é possível. Como fazer um bolo que tem muita cobertura sobre ele.

Vocês também buscam uma dinâmica interessante em suas músicas, o que faz com que as composições, mesmo sendo relativamente longas, não soem cansativas. Qual a formula pra isso?
Joe:
Toda vez que eu escrevo uma canção ela tem cerca de 7 minutos de duração. Então eu a trago para o ensaio e vemos o que todos nós podemos adicionar ou tirar. Nem todas as canções precisam ter esse tempo. Na verdade, eu tenho dificuldade em escrever uma música de quatro minutos. É um desafio, e eu adoro desafios! Assim, as canções mais curtas são geralmente o trabalho de todos os membros da banda, “Corte a gordura”, como diz Frank Navarro. Ou às vezes eu posso imaginar a linha da história e acho que a duração deveria ser tal. E, como um fã de discos de Prog Rock, eu gosto do desafio de fazer canções realmente longas. Pelo menos uma por álbum. É uma abordagem diferente. Todo mundo escreve diferentes partes e o desafio agora é organizá-la de uma forma coesa, que não seja uma bagunça confusa. E também, outros membros escrevem algumas canções, para que haja uma grande variedade de fórmulas que usamos. Depende do que os principais riffs da música querem… eles querem ser curtos e direto ao ponto, um pouco de história, ou um épico monstro.

Sunrunner

Aliás, a faixa Heliodromus tem lá seu mais de vinte minutos e serve como um grande exemplo dessa dinâmica. Podem falar um pouco mais dessa música?
Joe:
É o que eu quero dizer. Este é o épico monstro. Por isso, tivemos todas essas músicas para o álbum prontas. Sabíamos que iríamos escrever um grande épico. Assim, alguns riffs que sobraram e algumas novas idéias que tínhamos deixado de lado até que poderia incidir sobre esta canção. Sabíamos que era sobre o Mythriatic Rites e a viagem através do cosmos como deve ser (atrás de Heliodromus). Nós já tínhamos algo semelhante sobre isso no primeiro e segundo registros. Para descobrir que não era uma coisa real chamada de Sunrunner (que significa Heliodromus quando traduzido), tivemos que escrever sobre ela. Nossa criação era semelhante, uma espécie de dragão do espaço que poderia voar através do tempo e do próprio espaço. Então, quando nós descobrimos, as pessoas já imaginaram milhares de anos atrás tinha essencialmente o mesmo título, bem, nós estamos deslumbrados! Nós não compomos muito material sobre fantasia. Na verdade, as capas de álbuns são mais ‘fantasia’ do que o conteúdo lírico. Mas vamos deixar um pouco de espaço para a criatura Sunrunner. E desta vez foi na forma de um mito, um oculto antigo.

A produção sonora de Heliodromus também é outro grande trunfo do disco, pois traz uma sonoridade orgânica, natural e que foge dos padrões modernosos do estilo. Como trabalharam nela? O resultado foi o esperado?
Joe:
Nós finalmente encontramos! Nós tínhamos tentado fazer com que esse som fosse mais pesado, mas era difícil. Se isso soa Metal, moderno, para mim, Prog mais suave e extravagante. Mas se for muito suave, em seguida, você sacrifica o Metal. Foi o que aconteceu como o segundo álbum. Ficou muito leve. Nós sempre gravamos ao vivo em 2 fitas analógicas, cada registro até então. Mas, em seguida, ele vai para os overdubs digitais, vocais, instrumentos e adicionais. No final, a fase de masterização, e voltamos para analógico novamente. É realmente quente o processo. Além disso, meu irmão mixou a gravação e realmente entendeu o que queríamos neste momento.

Heliodromus saiu em 2015, como dissemos antes. Provavelmente, a banda tem algo composto ou algo que podemos avançar em uma versão futura?
Joe:
Ah sim. Na verdade, eu tenho que sair para o ensaio em poucos minutos aqui! Estamos trabalhando em algumas novas demos agora. Devemos estar em estúdio no início de 2017. Até então, nós realmente esperamos que o material ao vivo do Brasil fique bom para que possamos liberar um CD ao vivo. Veremos.

Muito obrigado! Podem deixar uma mensagem aos fãs brasileiros.
Joe:
Muito obrigado a todos por terem vindo! Se vocês virem nossas fotos on-line, você pode ver como estávamos felizes em conhecê-los e tomar algumas cervejas com todos! Sua energia nos shows foi fantástica e nos fez sentir como se estivéssemos em casa. Na verdade, foi melhor do que em casa!!! Pretendemos vê-los novamente, de modo a ficarem atentos ao próximo álbum e vamos vê-los em breve! Muito obrigado!

Links sobre a banda:
Site / Facebook / Youtube

Comentários

Você pode gostar...