Dropkick Murphys e Booze and Glory pela primeira vez no Rio.

Sexta feira, dia perfeito para começarmos um belo final de semana, ao som de Punk Rock no Circo Voador e aconteceu na última sexta feira aqui no Rio de Janeiro, já que iríamos assistir, pela primeira vez na cidade, os shows dos Londrinos do Booze And Glory e dos Americanos/Irlandeses de Boston do Dropkick Murphys, em mais uma produção da Liberation.

A banda de abertura da noite foi o Booze And Glory, banda Inglesa(Londres) de Street Punk/Oi! maravilhosa, pontualmente às 21:00hr a banda subiu ao palco e Mark(vocal/guitarra), Liam(guitarra/vocal), Bubbles(baixo) e Frank(bateria) entraram com o seu Street Punk com muita energia e bastante carisma. Infelizmente, por conta da chuva que começava a cair no Rio de Janeiro nessa noite deve ter atrasado boa parte do público em chegar à Lapa e ao Circo, o público foi mto pouco para tamanha apresentação da banda, com muita energia. No meio do show, Mark mandou uma frase que eu, particularmente adorei e me identifiquei ainda mais com essa banda, pois ele vai e manda: “Essa banda é contra o FACISMO, RACISMO E CONTRA A HOMOFOBIA”. Mesmo sendo algo que parece tão bobo a ser citado, mas hoje em dia, nesses tempos negros e vindo de uma banda Punk, tem um peso gigante e é exatamente depois dessa frase que “Question” Mark solta um pouco das guitarras e segura o microfone, para cantar uns sons bem “rueiros”, “London Skinhead Crew” foi cantada por bastante parte do público presente na casa, por ser uma música mais “famosa” da banda e fechando com “Only Fools Get Caught” que a galera se empolgou e infelizmente  começou a participar do show da banda tarde demais, uma pena, mas valeu a pena, show deles foi bem legal e super divertido, como deveria ser mesmo.

Set List:

1- Days, Months & Years
2- Maybe
3- Leave the Kids Alone
4- The Day I’m in My Grave
5- Back on Track
6- Down And Out
7- Last Journey
8- The Time Is Now
9- Violence and Fear
10- Simple
11- Carry On
12- Blood From A Stone
13- London Skinhead Crew
14- Only Fools Get Caught

Um pouco tempo depois, aquele clássico ritual né, luz apaga, começa o som de introdução e o público, nesse momento já maior dentro do Circo Voador e se apresentam eles, pela primeira vez aqui pro Rio de Janeiro, Dropkick Murphys e eles vieram com tudo, já tocando The Lonesome Boatsman e o vocalista All Barr é um frontman monstruoso senhores, ele colocou entre o palco e a grade uma espécie de plataforma, eu chamei de ponte mesmo pra galera, deixando ele tão próximo da galera que parecia que, em qualquer momento daquela apresentação ele iria pular no pessoal.

Cara, foi um show repleto, lindo e completo de belas músicas, “You Never Walk Alone” rolou, “Johnny I Hardly Knew Ya”, “Famous For Nothing”, “Citizen CIA”, “Hang Em High” tiveram presença ali também, nos levando a momentos maravilhosos, mas não vou negar que, pelo que eu vi, uma das mais esperadas foi “Rose Tattoo”, que quando a banda começou a tocar, todos e eu repito para os senhores, TODOS os presentes cantaram de forma que se fosse um hino e o mosh pit(ah, vamos falar o clássico daqui do Rio, a RODA PUNK) teve o seu momento mais lerdo de todos, sensacional, todo mundo dançando e cantando, esbravejando aquela canção, velho, demais.

Posso falar pra vocês, o que Al Barr, Tim Brennan, Ken Casey, Jeff DaRosa, Matt Kelly e James Lynch fazem com o público é impressionante, que banda ao vivo! A partir do momento que você leitor ou leitora, tiverem a experiência de ver um músico, que levanta o público com um acordeão, você vai entender o que estou tentando passar, é simplesmente mágico, ah, sem contar que a banda ainda fez momentos para homenagear suas raízes musicais, tocando “Cretin Hop” do Ramones em um momento, antes do Bis e, fechando a primeira parte do show, “I´m Shipping Up to Boston”, clássico maior deles, possivelmente, já que essa música foi trilha sonora do filmaço de Martins Scorcese “Os Infiltrados”.

Pra mim tinha acabado, vi os roadies tirando uma parte do retorno da banda, mas eles ainda voltam, com mais homenagens, voltaram com “I Fought The Law”, clássico som na versão do The Clash, logo depois “The State Of Massachussets”, fechando um som do último disco e que dá nome a tour, “11 Short Stories Of Pain and Glory”, a linda “Until The Next Time” começa a nos dar a noção de que iria acabar, mais uma vez All Barr despeja sua simpatia, olhando em nossos olhos e agradecendo, cumprimentando todos em seu “palanque” particular. E você ainda acha que acabou, os caras pra fechar com chave de ouro a noite, fizeram muito bem e liberaram uma galera a subir no palco, pra celebrar ao lado dos ídolos o final daquela apresentação, ao show de “TNT”, clássico do AC/DC, lindo ver, teve um momento que tinha mais público do que banda no palco e todo mundo tendo uma festa incrível, nada mais legal pra fechar um show que o próprio vocalista falou que “nunca imaginaria se sentir tão em casa, estando tão longe”. Perfeito e assim acaba a primeira passagem dessa maravilhosa banda pelo Rio de Janeiro, sensacional, somente essa é a palavra. Obrigado a Liberation pela confiança sempre em nosso trabalho e mais uma vez obrigado pro acreditar no Rio de Janeiro.

Set list completo:

1- The Lonesome Boatman
2- The Boys Are Back
3- Hang ‘Em High
4- I Had a Hat
5- Rebels With a Cause
6- The Gang’s All Here
7- Johnny, I Hardly Knew Ya
8- Blood
9- Prisoner’s Song
10- Cretin Hop
11- Paying My Way
12- The Warrior’s Code
13- The Fields of Athenry
14- Famous for Nothing
15- First Class Loser
16- Citzen CIA
17- Barroom Hero
18- Do or Die
19- Never Alone
20- Boys on the Docks
21- You’ll Never Walk Alone
22- Out of Our Heads
23- Rose Tattoo
24- In The Streets Of Boston
25- Going Out in Style
26- I’m Shipping Up to Boston
Bis
27- I Fought The Law
28- The State of Massachusetts
29- Until The Next Time
30- TNT

 

Comentários

Você também pode se interessar por...