Um dos grandes nomes do speed metal atual é o Evil Invaders. Os belgas, que fazem um som muito calcado na essência do estilo surgido nos 80, estão em processo de gravação do terceiro álbum.

Nessa entrevista exclusiva ao Portal do Inferno, o vocalista e guitarrista  Johannes ‘Joe’  Van Audenhove, falou sobre os dois álbuns lançados e a preparação para o terceiro (ainda sem nome), além de relembrar os shows que fizeram no Brasil em 2016 e sobre a cena speed metal atual.

             Imagem: Katja Ogrin/Redferns

“Esta turnê foi a melhor experiência que já tive. Vocês (brasileiros) são realmente loucos”, afirmou o o voalista e guitarrista da banda.

1) O som do Evil Invaders tem a alma do speed metal.Qual a importância do speed metal para a banda e como vê a cena atual de quem quer praticar esse tipo de som?

Joe: “ Eu realmente gosto desse pequeno período, em que as bandas ainda abraçavam a essência do heavy metal, antes de se tornarem puramente thrash metal. Dois exemplos são o ‘Kill en All’ (Metallica) e ‘Bonded by blood’ (Exodus). São meteoros se colidindo com o heavy metal.

Muitas bandas hoje em dia, tentam ser um cover das bandas do início dos anos 80, ao invés de criar algo próprio. Eu particularmente não gosto, pois, essas bandas nunca serão iguais as bandas pioneiras no gênero (risos).

Eu acho que muitas bandas atuais de speed/heavy carecem de riffs cativantes e refrãos fodas. Eu preciso acreditar em cada palavra que o vocalista está querendo dizer, senão eu perco o interesse.

2) O Evil Invaders tem 2 álbuns de estúdio. Pulses of Pleasure (2015) e Feed my Violence (2017). Qual o mais importante para a banda e o que cada um tem de especial?

Joe: “Ambos têm o mesmo valor para mim. Eu gosto da variedade do meu vocal em ‘Feed my Violence’, mas por outro lado amo os riffs crus e diretos em Pulse of Pleasure. Estamos gravando o nosso próximo álbum e deverá ser melhor que os dois e em breve teremos uma nova visão sobre eles.”

3) Em 2019, o Evil Invaders lançou um disco ao vivo ‘Surge of Insanity’ gravado no Trix Antwerpen ( na cidade de Antuérpia). Qual o significado desse show e essa gravação para a banda?

Joe: “Foi a primeira vez que fizemos um show em um clube, onde pudemos  montar toda a nossa produção teatral. Este álbum é uma amostra do que é o Evil Invaders nos palcos.”

4) O Evil Invaders é uma banda que canta em inglês, a língua universal do heavy metal. Já pensaram em gravar músicas em francês ou em flamengo (idiomas oficiais da Bélgica)?

 Joe:“Eu pessoalmente não me vejo cantando na minha língua materna. Eu acho que não soaria bem. A língua inglesa soa melhor foneticamente e possui um vocabulário mais amplo.”

Obs: a banda é oriunda da região de Flanders, onde o idioma oficial é o holandês, mas é chamado por seus habitantes como flamengo.

5) Como avalia no momento a cena headbanger da Bélgica?

Joe:“Temos muitas bandas de ‘metal’, mas poucas são de fato heavy metal. Speed, Heavy e Thrash não são super populares entre os headbangers belgas. Em termos de festivais e público, a cena é muito boa.”

6) Em 2016, a banda esteve no Brasil, onde se apresentou em cidades do sudeste, norte e nordeste. O que recorda dessa turnê? Há planos de voltar para cá?

Joe: “Esta turnê foi a melhor experiência que já tive. Nós realmente queremos voltar e em breve, mas até agora não tivemos oportunidade.  Vocês (brasileiros) são realmente loucos! E eu amo isso!”

7) Por conta da pandemia do Covid-19, os festivais de verão da Europa foram cancelados. Como estão os planos da banda e a agenda de shows?

Joe: “Faremos uma live stream para o Alcatraz Metal Festival e a continuação da nossa turnê europeia será em fevereiro de 2021. Enquanto isso, seguiremos trabalhando no nosso terceiro álbum.”

 

 

Leonardo Cantarelli

Headbanger, jornalista formado, autor de 2 livros e mesatenista!

Deixe um comentário