Por: (Arte Metal)

São doze anos na cena representando com maestria o Metal amazonense. Território Perdido (2012), o primeiro disco que foi antecedido por duas demos, já mostrou a capacidade da banda, porém apresentou algumas arestas a serem aparadas, o que não o ‘desabrilhantou’.

Mas, sem sombras de dúvidas, Suprema Cobiça, que saiu quatro anos depois e aporta agora em nossas mãos, é sem dúvidas o ápice do trio. Afinal de contas, as tais arestas foram aparadas, a banda evoluiu em todos os sentidos e, o melhor de tudo, manteve sua essência intacta.

O Thrash Metal visceral do grupo com influências de Hardcore aqui se mostra mais técnico, mais bem elaborado e com composições muito bem estruturadas. Riffs empolgantes e diretos, e solos necessários se aliam a uma cozinha agressiva e veloz que dão o tom raivoso das composições.

Em alguns casos, a Brutal Exuberância chega a flertar com o Death Metal, até porque os ótimos urros ininteligíveis de Naldo (também guitarrista) cairiam perfeitamente em músicas mais fúnebres. O fato é que o resultado final aqui é positivo e eleva o patamar da banda.

Os temas das letras em português, diríamos que são uma análise crítica bem ácida e que ainda conta com questionamentos extraterrestres. Apenas uma composição é cantada em inglês e caiu bem na proposta do grupo, mas não possui o mesmo charme das demais. Tudo isso com uma produção de qualidade, natural e com timbres que acertam na mosca. Fãs da Dorsal Atlântica, ou melhor, fãs do Metal nacional irão se deleitar.

Brutal Exuberância - Suprema Cobiça

Nota: 8,5

Tracklist:

  1. Suprema Cobiça
  2. Brava Gente
  3. Música Lúdica
  4. E.T. Oldeado
  5. Victim from Our Selves
  6. …Do Passado… Presente…
  7. Metal É Pra Poucos

Link sobre a banda: 

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.