Por: (Arte Metal)

Este trio canadense, formado pro W.T. (vocal/baixo), N.T. (guitarra/vocal) e W.A. (bateria), surgiu no ano passado com o intuito de resgatar as raízes do Metal extremo e acaba de soltar este primeiro trabalho, o EP “Breeding Ruin”.

Se quando leu ‘raízes do Metal extremo’, o leitor se situou em nomes como Hellhammer, Celtic Frost, Venom e afins, acertou. Porém, pode incluir nesta lista nomes como Sarcófago e DarkThrone, mas sem se esquecer que o grupo possui sua própria identidade.

Com andamentos não tão rápidos, mas a agressividade sempre imposta, a banda consegue destilar uma sonoridade rústica e odiosa. O clima ‘from hell’ impera, claro que de forma proposital, sendo que a banda adota uma leve e maléfica melodia, que mostra todo seu potencial.

Os riffs são o ponto forte, responsável pela estrutura das composições, porém são prejudicados por uma produção pobre que tirou o peso das guitarras. Mesmo que proposital, a qualidade prejudicou o trabalho, que poderia soar empoeirada e mesmo assim melhor.

São cinco composições, contando aí um cover para Dethroned Emperor do Celtic Frost, onde se destacam What Can Be Broken… Must Be Broken e Fallen Figure of Futility. Talento e conhecimento no que se propõe a banda tem, falta só dar uma caprichada na produção que soa como demo ainda.

Dawn of Tyrants - Breeding Ruin

Nota: 7,0

Tracklist:

  1. Some Above, Most Below
  2. What Can Be Broken… Must Be Broken
  3. Breeding Ruin
  4. Fallen Figure of Futility
  5. Dethroned Emperor (Celtic Frost cover)

Link sobre a banda:

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.