Por: (Arte Metal)

Lembro de ter ouvido o EP “Humanicide” e sentir a firmeza de que o FORCEPS viria para marcar território e também acrescentar muito para o cenário do Metal extremo nacional. Dito e feito, pois o debut “Mastering Extinction”, lançado no ano passado e ainda sendo divulgado, bota tudo pra baixo.

Death Metal visceral em primeira instância, o trabalho traz um som trabalhado, mas sem exagerar na técnica, estruturas moldadas nas principais características do estilo, porém com uma roupagem atual e sem soar ‘modernoso’. É Death Metal para quem gosta de todas as facetas do estilo.

O FORCEPS consegue encaixar o ritmo intenso dos ‘blasts beats’ em algo mais variado, nem tão comum e que apela apenas para a velocidade, injetando quebradas propícias, que dão o ar diferencial para a banda. Com guitarras mostrando riffs sólidos e linhas de baixo consistentes.

A maior referência da banda talvez seja o MONSTROSITY, mas o FORCEPS ainda carrega influências de Thrash Metal, principalmente em algumas levadas mais dinâmicas que só agregam na versatilidade da banda. Os guturais de Doug Murdoch dispensam apresentações. Bela estreia!

Forceps - Mastering Extinction

Nota: 8,5

Tracklist:

  1. Atrocities
  2. Transdifferentiated Nano-Cells
  3. To Become Gods
  4. Mastering Extinction
  5. Consuming Nociception
  6. Self-Imprisoned Singularity
  7. Pineal Torture
  8. Human Cryptobiosis
  9. The Anthropogenic Era
  10. Creating Ectogenesis

Links sobre a banda: 

Site

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.