Por: (Arte Metal)

Parece que foi ontem o lançamento do debut “Bellicus Profanus” (1999) e lá se vão quase vinte anos. Agora, os paulistanos do OCULTAN, antes como uma promessa do Black Metal nacional, chegam ao seu décimo disco de estúdio e 16 trabalhos no total, sendo uma das principais manifestações do estilo na América Latina.

O novo disco mantém a proposta da banda trazendo evoluções naturais, soando bem espontâneo. O Black Metal ríspido e cru da banda se faz presente com toda rusticidade que sempre lhe foi peculiar, mas desta vez trazendo alguns elementos a mais, o que não influencia negativamente em praticamente nada.

Fato é que o OCULTAN mostra uma maturidade e conhecimento de causa absurdos em “Quintessence”, trazendo uma maior variação rítmica e até quebradas, muito bem executadas pela forte cozinha. Uma boa dose de melodia enriquece ainda mais os arranjos, mostrando que a banda não se prende apenas a extremismos.

A naturalidade da produção é algo que falta e muito no Black Metal atual e o OCULTAN consegue atingir esse objetivo, trazendo algo bem orgânico com uma excelência nos timbres, tanto das guitarras – que trazem riffs bem elaborados, além de solos propícios – passando pela bateria e o baixo consistente.

O clima diabólico e ao mesmo tempo um tanto quanto agonizante permeia o tracklist, que tem como destaque faixas como Kalima, Dragão Negro, Queen of Shadows, Apophis e Father of The True Light. A bela arte do trabalho a cargo de Count Imperium e a rica embalagem digipak são a cereja do bolo.

Ocultan - Quintessence

Nota: 8,5

Tracklist:

  1. Intro
  2. Kalima
  3. Dragão Negro
  4. Queen of Shadows
  5. Apophis
  6. Set – Typhon
  7. Father of the True Ligth
  8. Anti Cosmic Legion

Links sobre a banda:

Facebook

Heavy Metal Rock

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.