Por (Arte Metal)

Após cinco anos de seu debut The Way to the Northern Gates (2010, lembrando que a banda lançou um EP e um single nesse intervalo), os cariocas do Pagan Throne retornam com seu segundo disco, este Swords of Blood, trazendo uma evolução natural, além de mais amadurecimento.

Mas, o que chama atenção realmente no novo trabalho é a versatilidade que o quinteto traz, além do nível de profissionalismo que a banda tem atingido. Mesmo mantendo o foco no Pagan Black Metal, o Pagan Throne não fecha o seu leque e deixa fluir elementos do Folk e do Metal Tradicional que se encaixam perfeitamente à proposta do grupo.

Outro fator é que cada composição possui sua característica, mas a banda consegue mesmo assim manter sua essência. Com guitarras bem desenvolvidas (solos bem melódicos) e uma cozinha coesa, além de rápida, a banda varia, alterna os ritmos assim como as ótimas linhas vocais que vão desde o limpo (porém agressivo), passando pelo rasgado e o gutural.

O trabalho de produção do baixista Eddie Torres no Michelangelo Studio está corretíssimo, só faltando um pouco mais de peso nas guitarras. Óbvio que é apenas um detalhe que não tira o brilho do disco como um todo de forma alguma. A arte gráfica ficou muito bacana, e o aspecto visual dos músicos é impactante para o estilo proposto.

A cada audição uma ou outra faixa diferente chama mais atenção, portanto os destaques ficam por conta de Rites of War, Fallen Heroes, a épica Northern Forests, Beast of the Sea, a ‘tradicional’ Kingdom Rises e Path of Shadows. O fato é que o Pagan Throne é uma das bandas brasileiras que mais entendem do estilo.

10959360_883165365081772_6895695461949594837_n

Nota: 8,5

Tracklist:

01. Invasion
02. Swords of Blood
03. Rites of War
04. Fallen Heroes
05. Northern Forests
06. Beast of the Sea
07. Kingdom Rises
08. Dark Temples
09. Path of Shadows
10. Pagan Heart (Acoustic Version)

Links sobre a banda:

Site / Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.