Por: (Arte Metal)

Com este debut e segundo trabalho (eles lançaram um EP em 2017 autointitulado) do PHIL CAMPBELL AND THE BASTARDS SONS, fica a prova de que o eterno guitarrista do MOTÖHEARD tinha muita lenha pra queimar. E isso fica mais evidente quando ouvimos este “The Age of Absurdity”.

Os mais ansiosos dirão que a banda provavelmente foca seu som no antigo grupo de Phil, mas se enganam e muito. Até porque as referências aqui existem, mas são poucas. A banda mostra um Rock ‘metalizado’, assim como fazia LEMMY e Cia., mas a coisa aqui pende pra algo mais atual, alternativo e obviamente menos barulhento.

As semelhanças talvez se intensifiquem na dinâmica das composições e, lógico, em alguns riffs de Phil, que tem como guitarrista ao seu lado seu filho Todd Campbell. Aliás, o trabalho de guitarras é bem consistente, formando uma parede inabalável com melodias na medida certa e os solos simples, mas muito propícios.

A cozinha também traz os filhotes de Phil, sendo que Tyla Campbell faz um baixo consistente e com ‘punch’, e Dane Campbell dita o ritmo com sua bateria cheia de pegada. O vocalista é o ‘enteado’ Neil Starr, que se mostra um cara com limites, mas que sabe impor suas linhas e tem uma performance contagiante no disco.

Ringleader, Freakshow, Gypsy Kiss (essa sim ‘motorheadiana’), a soturna Dark Days, a ‘grooveada’ Get On Your Knees e High Rule (outra mais sútil) são os destaques. Na versão brasileira ainda temos a oportunidade de ouvir a bônus (excelente por sinal) Silver Machine, do HAWKWIND, que conta com participação do próprio Dave Borck e serve como uma homenagem a LEMMY, que fez parte da banda entre 1971 e 1975.

Resultado de imagem para phil campbell and bastards sons age

Nota: 8,5

Link sobre a banda:

Site

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.