Por: (Arte Metal)

Os suecos do SAREA chegam ao seu quarto álbum esbanjando bom gosto e dando aula aos ‘primos ricos’ em como se fazer Melodic Death Metal atual sem soar exageradamente tendencioso. Afinal, desde seu debut em 2008 (“Rise of a Dying World”), a banda sempre teve uma proposta definida e hoje mostra o quanto lapidou seu estilo.

“Black At Heart” é um disco que mostra todo o amadurecimento da banda. Contando com elementos do Metalcore (de forma bem leve), Prog Metal e até resquícios de Pop. O disco é o mais equilibrado da carreira do sexteto de Norrköping.

Com guitarras agressivas distribuídas em bases versáteis, a banda consegue ditar um ritmo interessante e variado, além de adotar um bom ‘groove’, mas sem exagero. Aliás, exagerar é o que a banda não faz e até as camas de teclados (instrumento fixo no grupo) soam discretas e funcionam como um assessório, muito bem vindo, diga-se de passagem.

O vocalista Chris Forsberg se mostra um dos melhores no estilo, investindo no gutural, rasgado e em alguns momentos impondo refrãos com linhas limpas, mas que não soam juvenis. A produção é outro fator preponderante para a qualidade do disco e traz uma sonoridade que condiz com a proposta da banda, mas não exagera no modernismo. Difícil mesmo é destacar uma ou outra faixa em um tracklist potente e equilibrado. Que disco!

Sarea - Black at Heart

Nota: 9,0

Tracklist:

  1. Lights
  2. Black at Heart
  3. Perception
  4. The Others
  5. Let Us Fall
  6. Duality
  7. The Dormant National
  8. Monotone
  9. Control
  10. Dead Eyes
  11. All for None
  12. Circles

Links sobre a banda:

Site

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.