Por: (Arte Metal)

“Deep Calleth Upon Deep” é o nono álbum do duo norueguês SATYRICON, um dos pilares do Black Metal escandinavo e que nunca se satisfez em manter a mesmice. Tanto que sempre causou torcidas de nariz em seus fãs. Mesmo não sendo uma banda totalmente experimental, o SATYRICON é ousado.

Neste novo trabalho, a sutileza na execução dos instrumentos e as levadas brandas (não confunda com cadência), trazem um disco intenso, obscuro e com uma veia bem espiritual explanada em suas letras. “Deep Calleth Upon Deep” é acima de tudo um trabalho versátil.

A variação nos riffs de guitarras comandadas por SATYR é a primeira coisa que chama atenção, com melodias bem encaixadas e uma base sólida nas seis cordas. Enquanto isso, FROST comanda as levadas, também variadas e não tão velozes, com uma bateria que explora bem as viradas.

Tudo com uma produção límpida, porém orgânica, o que deu ainda mais cara de Black ‘n’ Roll ao disco. Destaque para faixas como Midnight Serpent, que é intensa e ótima abertura, Blood Cracks Open the Ground e seu ar maléfico com ótimo trabalho de guitarras, The Ghost of Rome que flerta até com o Occult Rock e a inusitada Dissonant, que conta inclusive com saxofone (muito bem encaixado, por sinal).

Anders Odden, da banda CADAVER, gravou o baixo e algumas guitarras rítmicas, e o trabalho contou com outros músicos convidados. A capa, inicialmente simples, passa a ser bela depois de bem observada e é uma arte centenária feita em 1899 pelo artista norueguês Edvard Munch.

Satyricon - Deep Calleth upon Deep

Nota: 9,0

Tracklist:

  1. Midnight Serpent
  2. Blood Cracks Open the Ground
  3. To Your Brethren in the Dark
  4. Deep Calleth upon Deep
  5. The Ghost of Rome
  6. Dissonant
  7. Black Wings and Withering Gloom
  8. Burial Rite

Mais informações: 

Site

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.