Por: (Arte Metal)

Uma coisa é fato, a banda The Cross já é uma vencedora. Afinal, além de ser pioneira dentro do cenário Doom Metal nacional, passou por dois hiatos (com último retorno em 2014), além de ter perdido o guitarrista Elly Brandão no ano passado que faleceu em decorrência de complicações de um câncer.

E 27 anos depois de sua fundação, o grupo de Salvador/BA (praticamente reformulado) solta seu debut e com a qualidade que sempre lhe foi peculiar. Para quem não conhece, a banda investe no já mencionado Doom Metal, porém alia a sonoridade ao Black Metal e isso gera algo pouco visto atualmente.

O clima de suas composições foge daquela aura melancólica ou mística da maioria das bandas do estilo, sendo que neste caso bebe na fonte da maleficência e opta por levadas fúnebres, com riffs longos e cadência constante, com pouca variação rítmica, além de peso na medida certa.

O vocal de Eduardo Slayer, fundador da banda, segue uma linha rasgada monocórdia casa perfeitamente com a proposta. Os timbres foram muito bem escolhidos, inclusive a distorção proporcional das guitarras e a afinação da bateria que, apesar de não ser muito exigida devido à proposta, faz seu papel muito bem.

Não podemos deixar de mencionar as linhas diferenciadas de baixo de Mario Baqueiro, que aumentam a densidade das composições e se mostram desprendidas do ‘comum’ em certos momentos (ouça a faixa Garden Of Silence e confirme isso). A cereja do bolo é a boa produção sonora e uma belíssima arte da capa. Que o The Cross continue sua caminhada sem mais hiatos!

The Cross - The Cross

Nota: 8,5

Tracklist:

  1. Cold is the Night Beyond Death
  2. The Last Nail In the Coffin
  3. The Skull & The Cross
  4. The Last Prayer
  5. Resquiat In Pace
  6. Garden of Silence
  7. House of Suffering
  8. Poe’s Silence

Link sobre a banda:

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.