Por: (Arte Metal)

É interessante resenhar um álbum depois de ler algumas críticas paralelas ao mesmo. Mas é importante não criar expectativas, para ter uma análise equilibrando o gosto pessoal e a parte técnica. Isso acontece muitas vezes sem querer, porque crítica por crítica não devem servir como parâmetros, afinal estamos falando de opinião.

“Flesh & Blood” resgata a empolgação do WHITESNAKE perdida em “Forevermore” (2011), mas não remonta somente ao passado da banda. O disco na verdade transita pela carreira do grupo, trazendo o que de melhor DAVID COVERDALE e Cia possuem: Classic Rock, Hard Rock e aquela pitada de Blues.

Inclusive podemos citar aí os subgêneros que permeiam os citados. Porém, o leitor pode achar que é um disco ‘mistureba’ e não o é. Como sempre, até em seus piores momentos, o WHITESNAKE consegue concatenar isso tudo e transformar na sua própria identidade. Então, temos um baita álbum de Rock.

REB BEACH e JOEL HOEKSTRA fazem um trabalho de guitarra tão primordial, que fica difícil sentir falta de DOUG ALDRICH. Riffs básicos, mas pegajosos, solos ‘bluesy’ e até com linhas Country e arranjos ricos dão a tonalidade das seis cordas, que comandam o baile no trabalho.

A cozinha de MICHAEL DEVIN (baixo) e TOMMY ALDRIDGE (bateria) soa bem postada, com uma pegada intensa na bateria, coisa que dá uma energia extra às composições. MICHELE LUPI dá toda sua pompa com os teclados, enquanto a estrela principal, sim o senhor Coverdale, prova a constatação e traz suas linhas variando, assim como fez durante toda sua carreira na banda. Aliás, soando mais agressivo que o usual nos últimos tempos.

Good to See You Again, Shut Up and Kiss Me, Hey You (You Make Me Rock), Always and Forever, Trouble Is Your Middle Name, Flesh & Blood e a balada (claro) Heart of Stone são os destaques iniciais, porém o trabalho fica ainda mais interessante quando se ouve mais e mais. A versão nacional traz adesivo e pôster.

Resultado de imagem para Whitesnake – Flesh & Blood

Nota: 8,5

Links sobre a banda:

Site

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.