Centúrias: o elogio mais inusitado da carreira

cachorrãoNilton “Cachorrão” Zanelli, vocalista do Centúrias, um dos pioneiros do Heavy Metal brasileiro, relembra um show ao lado da banda Vodu no extinto Teatro Mambembe (SP), realizado a 29 de julho de 1987, poucos meses após ter gravado o álbum Ninja (1988) no estúdio Guidon (SP). Na ocasião, ele ouviu uma frase que jamais esqueceu: “Começamos com Guerra e Paz e Animal, sem intervalo entre as músicas. Depois, vendo o vídeo em casa, notei uma voz no final da Animal: ‘Até que essa bosta presta!’. Pô, tomei como um elogio”, diz. “O cara foi achando que seria ruim, acabou gostando e o ‘elogio’ foi bem espontâneo. Tocamos no Mambembe algumas vezes e também íamos a shows de outras bandas. Foi lá que ocorreu o sempre lembrado show ‘No Posers’ e outros com fatos engraçados”, acrescenta.

Atualmente, Nilton “Cachorrão” Zanelli, Ricardo Ravache (baixo), Roger Vilaplana (guitarra) e Júlio Príncipe (bateria) estão com uma agenda regular de shows e em processo de composição do álbum que sucede o single “Rompendo o Silêncio” (2013). “Não queremos colocar uma data limite para não acelerar o processo e fazer as coisas na correria. Estamos ativos, produzindo e o novo álbum está nos planos”, conclui o vocalista.

Fonte: ASE – Press

Fernando Custódio Moreira

Só mais um ser humano que adora Heavy Metal. Stay Metal Heavy Metal Forever.