Foto oficial 1Conduzido pela potente voz de Magdalena Opazo, Egregor foi destaque ano passado na mídia e em festivais do Chile com o debut Karma

A cena metálica chilena está em evidência. Foi referência da América Latina de movimento consolidado e profissional em artigo sobre o heavy metal no Wall Street Journal, dos Estados Unidos; é rota obrigatória de bandas estadunidenses e europeias do alto escalão da música pesada e tem o suporte de modernas casas de shows e um público tão fanático quanto o brasileiro, que num país com economia forte, facilmente lota os espetáculos. Além disso, possui uma qualitativa prole de bandas, de heavy tradicional ao post-rock, do thrash ao progressivo, do black metal à formações que optam por gêneros modernos. Neste contexto, o Egregor emergiu ano passado com o lançamento do debut Karma, que recebeu avalanches de boas críticas, tocou na TV, participou como revelação de alguns festivais e apareceu em listas dos Melhores do Ano.

Formada em Arica, ao Norte do Chile no ano de 2012 pela carismática vocalista Magdalena Opazo, dona de uma voz potente, numa linha melódica dura e de grande alcance, a banda está firme no objetivo de promover o que chamam de “música consciente” e pulverizar o nome Egregor por todas as Américas a partir de um prog metal que dialoga com extrema precisão e fluidez com o stoner, doom e groove, mas de uma forma tão homogênea que eles preferem – e com coerência – usar o termo metal eclético. O uso de instrumentos percussivos e andinos torna as músicas ainda mais elegantes e climáticas.

A vocalista Magdalena explica que o termo eclético, no contexto do Egregor, é amplo. “Não apenas musical, mas a respeito de uma expressão em que nos permite mesclar diferentes ritmos, instrumentos, tendências. Nossa proposta é correlata a um pensamento, uma visão conciliadora de diferentes crenças e gostos, muito presente em nossas letras sobre ideologias, sobre reencontros com nossas origens”.

Apontado por Magdalena como o primeiro grande passo firme da banda, Karma, lançado ano passado de forma independente em versão digipak, possui 10 faixas cantadas na língua materna, ou seja, o espanhol. Com boa pronuncia e uma gravação refinada a cargo do guitarrista Richard Iturra – e masterização no Nova Studios (Polônia) -, o idioma é elemento primordial à proposta da Egregor. Magdalena explica. “Consideramos importante resgatar nossa essência, por meio de nossa língua, é uma forma própria de nos expressarmos. É realçar e valorizar o que é nosso, para todos nós, latinos”.

Consolidados como banda promissora no Chile, agora o Egregor mira a cena musical brasileira, com muito a oferecer junto ao álbum Karma, que contém uma pluralidade pouco explorada por grupos nacionais, além do ingrediente a mais do idioma. “Somos irmãos de sangue, descendemos de povos guerreiros, que lutam pelo reconhecimento e valorização de uma história. Queremos nos aproximar do público brasileiro porque cantamos para todos os povos da América. Desejamos que os brasileiros se sintam parte do que é a Egregor”, desabafa Magdalena.

Egregor é:

Magdalena Opazo (vocais)
Richard Iturra (Ripo) (guitarra)
Giancarlo Nattino (guitarra)
Alejandro Heredia (baixo)

Facebook: www.facebook.com/EgregorOfficial
Site oficial: www.egregorband.com
Bandcamp: https://egregorband.bandcamp.com

Fernando Custódio Moreira

Só mais um ser humano que adora Heavy Metal. Stay Metal Heavy Metal Forever.