Por: (Arte Metal)

Os italianos do Blasphemer surgiram em 1998, portanto a banda atingiu sua maioridade neste ano. Foram 6 anos esperando algo inédito, afinal o EP Devouring Deception saiu em 2010 e o debut, On the Inexistence of God no já longínquo ano de 2008.

A espera valeu à pena, afinal o quarteto de Linssone, que ainda mostrava certa imaturidade nos lançamentos mencionados, neste segundo disco atinge seu ápice, mostra uma evolução considerável, além de apresentar composições muito bem estruturadas.

O Brutal Death Metal executado pelo grupo se mostra mais lapidado, com um ótimo trabalho de guitarras de Simone Brigo, um dos fundadores do grupo. Bases intrincadas e notas despejadas a esmo, com eficiência e técnica na medida certa, sendo que os vocais de Paolo “Munnezz” Maniezzo são os que mais evoluíram, pois além de inteligíveis, estão mais bem encaixados.

A cozinha faz seu trabalho com precisão e técnica, sendo que a bateria do estreante Darren Cesca (Deeds of Flesh) destila eficiência e o baixo de Clod “The Ripper” De Rosa traz linhas interessantes e bem desenvolvidas. O resultado final é acima da média, e fãs do verdadeiro Death Metal dificilmente desaprovarão o disco.

cover

Nota: 8,0

Tracklist:

  1. Suicide for Satan
  2. You Are Nothing
  3. Jesus Rapes
  4. Worship in the Void
  5. Antichristian Extremism
  6. Annihilated Divinity
  7. Obscuring the Holy Light
  8. Crucifix of Shit (Stench of Prophet)
  9. Fetishistic Idolatry of the Cross
  10. I Deny
  11. Ritual Theophagy

Link sobre a banda:

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.