Bloodwork – Just Let Me Rot

A nítida sensação que eu tenho, após conferir este atentado aos ouvidos alheios Just Let Me Rot, é de que tenho em mãos o disco mais indicado para se apreciar ao se aproximar o apocalipse. Que trabalho devastador! Arrisco-me a afirmar que tem alguns anos que não ouço um álbum tão robusto e sólido quanto este.

A banda em questão chama-se Bloodwork, e os caras não pouparam esforços ao contratar o produtor Sebastian Carsin, para dar um “tapa” na produção deste artefato. O resultado são riffs muito bem construídos, dentro de uma produção que evidencia o lado mais rústico do Splatter, tornando tudo muito bem conectado e de fácil audição. Neste caso, impossível não destacar a faixa Toothed Vagina, que muito me remeteu aos melhores momentos do Cannibal Corpse da fase do The Bleeding de 1994.

Se você curte bandas que primam pela velocidade musical e letras esporrentas, este álbum definitivamente é pra você. Ainda assim, este é um disco que pode causar náuseas para os fracos de espírito e desavisados de plantão! Aqui é som pra homem! Ouçam e confiram mais uma das grandes revelações da cena extrema brasileira…

Nota: 8.5

TrackList:

01. Defecating Broken Glass
02. Cunt Suffocation
03. Asphyxiant Cum Load
04. Suck My Cut Finger
05. Human Slaughterhouse
06. Rotten 69
07. Necro Sex Club
08. Toothed Vagina

Formação:

Fabiano Werle – vocalista
Deleon Vith – guitarrista
Rafael Lubini – guitarrista
Henrique Joner – baixista
Felipe Nienow – baterista