Qualquer pessoa iniciada no Metal sabe o que sentir quando ouve o nome Morbid Angel. Qualquer um iniciado no Metal extremo sabe o que sentir ao ouvir David Vincent. E este é o último trabalho dessa banda que ficou marcada como um dos inventores do Death Metal, e tendo de volta após muito tempo seu grande ícone, o baixista/vocalista citado. Isso obviamente gerou uma grande expectativa em torno desse álbum. Pois bem, aqui vale a pergunta: qual era exatamente sua expectativa? Quanto e de quão perto você acompanhou a carreira deles através dos anos? Talvez a fonte de todas as reações para com este álbum esteja na resposta dessas perguntas. Explico: se vc acompanha a banda, deve ter percebido que já a um bom tempo o Morbid deixou de fazer aquele Death Metal cru. Seus álbuns, aos poucos, foram se tornando cada vez mais experimentais, trazendo faixas que sempre soaram “estranhas” a primeira audição. Inevitável. Se você os conheceu desde os tempos do Altars, é inevitável não achar estranho algo que não seja brutalidade pura e técnica. Porém, como citei e qualquer um que conhece o trabalho deles sabe, a cada novo álbum, algumas novas surpresas. Logo, será que apenas a volta de David para a banda seria suficiente para essa postura se modificar?

Logo na faixa intro percebemos que a essência continua ali: mais uma faixa com aqueles medonhos teclados pseudo épicos que eles tanto gostam. Ok, até aqui a banda soa como esperamos. Na segunda faixa, o temor de todos os “trues” começa a dar as caras: Too Extreme! não tem nada de Death Metal, nem de extremo, como o nome sugere. Pelo contrário, flerta claramente com o Industrial, porém ainda muito pesado. As duas faixas seguintes aplacam um pouco a fúria dos mais tradicionais que já deveriam estar sentindo vontade de arremessar o CD pela janela. Existo Vulgoru e Blades for Baal trazem um Death Metal direto, bem construído e executado. I Am Morbid e More Dead já soam mais como um “filhote de Pantera”, com riffs pesados, diretos, porém em músicas bem cadenciadas e que podem até ser consideradas lentas, em se tratando de Morbid. A segunda acaba virando um belo Death em sua segunda metade, retornando ao tema inicial depois. Porém, talvez aqui resida um dos melhores momentos do álbum. Aí, adentramos a parte do trabalho que acredito tenha deixado uma interrogação gigantesca na cabeça de qualquer um que o ouviu pela primeira vez: que diabos eles quiseram com a faixa Destructos Vs. The Earth – Attack ?! Se David cantasse essa faixa de uma forma um pouco mais limpa, e alguém colocasse a mesma como um bônus de um álbum do Rammstein, ninguém perceberia que não eram eles executando. Industrial, nu e cru. E, sinceramente? Do caralho! Uma baita música! Absurdamente estranha, mas uma baita música! Ela ainda traz uma surpresinha em seu final, acredito que para alguns pararem de os xingar! (rs) Nevermore e Beauty Meets Beast voltam ao básico: cru, direto, rápido e técnico. Radikult já começa causando calafrios. E continua assim. Mais um momento industrial, extremamente pesado e estranho para ouvidos “trues”. Mais uma grande faixa, onde David aparece bastante, com passagens bem nítidas de baixo. Profundis – Mea Culpa retorna a faixa intro de forma pesada e encerra bem este trabalho.

Confesso que tive que ouvir duas vezes seguidas esse álbum para que o mesmo fizesse algum sentido para mim. Porém, na segunda audição, “lembrei” que estava ouvindo Morbid Angel, e que este, como abri o texto dizendo, sempre mostra sua total falta de medo em testar. E, nessa ótica, entendendo os porques que os levaram a esse resultado final, passei a achar esse álbum fantástico. Acabei por ouvi-lo uma terceira vez seguida, e aí sim curtindo e aproveitando cada música como ela deveria ser. Se você ainda vive na década de 90, e espera que o Morbid repita o Altars, pelo visto morrerá frustrado. Porém, se você evoluiu junto com a banda, deve estar com o mesmo sentimento que eu: que os caras se reinventaram de uma forma gigantesca, chocaram a todos com essa evolução, e continuam sendo um ícone. Sem medo de arriscar. E acertar. Por mais que esse acerto precise de uma segunda ouvida para descer como deve.

Morbid Angel - Illud Divinum Insanus

Tracklist: Morbid Angel – Illud Divinum Insanus

01. Omni Potens
02. Too Extreme!
03. Existo Vulgoré
04. Blades for Baal
05. I Am Morbid
06. 10 More Dead
07. Destructos Vs. the Earth / Attack
08. Nevermore
09. Beauty Meets Beast
10. Radikult
11. Profundis – Mea Culpa

** O texto representa a opinião do autor e não a opinião do Portal do Inferno Webzine ou de seus editores.

Portal do Inferno

Portal do Inferno é um site especializado em notícias do rock n roll ao metal extremo, resenhas, entrevistas e cobertura de shows e eventos!

Deixe um comentário