Arcturus – Hangar 110 – São Paulo/SP

A noite da última sexta-feira, dia 04 de março, pode ser considerada histórica para os fãs do chamado Avant-garde Metal. Depois de mais de duas décadas, a banda norueguesa Arcturus finalmente desembarcou pela primeira vez na América do Sul para uma sequência de cinco shows pelo continente, sendo o primeiro deles realizado na capital paulista, mais precisamente no Hangar 110.

Capitaneada por Hellhammer e I.C.S. Vortex, dois grandes ícones do metal norueguês, a banda formada em 1991 na cidade de Oslo divulga atualmente o álbum Arcturian, seu quinto trabalho de estúdio e que foi lançado em maio do ano passado pela gravadora Prophecy Productions, obtendo boas críticas por parte da mídia especializada.

Superando as expectativas, a casa recebeu um bom público, e pouco depois do horário previsto para o início do show, por volta das 21h20, o quinteto formado por Simen “ICS Vortex” Hestnæs (vocais), Knut Magne Valle (guitarra), Hugh Mingay (baixo), Jan Axel “Hellhammer” Blomberg (bateria) e Steinar “Sverd” Johnsen (teclados), tratou logo de “matar as lombrigas” dos presentes, abrindo seu set com a música Evacuation Code Deciphered.

A partir daí, o que se viu foi uma bela sequência de grandes sons, pra (quase) fã nenhum reclamar. Foram apresentadas músicas novas, claro, como Crashland e The Arcturian Sign, mas a banda não esqueceu dos fãs “das antigas”, e fez a alegria deles com músicas como The Chaos Path e Master of Disguise, além de To Thou Who Dwellest In The Night e Raudt Og Svart, ambas de seu primeiro disco, lançado em 1996.

Demonstrando um bom entrosamento e contando com uma grande “ajuda” do som da casa, que estava muito bem equalizado desde o começo (como deveria ser sempre), o quinteto fez uma excelente apresentação. Como ressalvas, ficam apenas o setlist relativamente curto (com cerca de 1 hora e 15 minutos), e a quase nula presença de palco de ICS Vortex, que apesar de fazer bem o seu trabalho vocal, acaba deixando um pouco à desejar como “frontman”. Talvez ainda não tenha acostumado com o fato de estar sem seu baixo no palco, como nos tempos de Dimmu Borgir.

Por outro lado, o tecladista Steinar “Sverd” foi um show à parte em seu instrumento, com sua competência em criar os devidos “climas” que as músicas da banda pedem, e com suas caretas engraçadas e por vezes até “demoníacas” durante a apresentação. Impossível não fazer o registro.

Depois do encerramento do show com a nova Game Over, a banda foi bastante aplaudida e agradeceu a presença de todos os presentes, que certamente saíram bastante satisfeitos após essa primeira “experiência” dos noruegueses em terras brasileiras. Resta torcer para que essa experiência tenha sido positiva também para eles, e para que num futuro não muito distante, os fãs brasileiros tenham a oportunidade de vê-los outra vez por aqui.

Setlist:

Evacuation Code Deciphered
Ad Absurdum
Painting My Horror
Crashland
The Arcturian Sign
Shipwrecked Frontier Pioneer
The Chaos Path
Deamon Painter
Master of Disguise
Nocturnal Vision Revisited
To Thou Who Dwellest In The Night
Raudt Og Svart
Game Over