Fadas, duendes, tin whistle, bodrhán, fantasia, mitologia celta, … Sim, estamos falando de uma banda de folk metal. Não, não é estrangeira. Desde 2007 na ativa, a Lochránn vem conquistando seu espaço, vencendo batalhas e contando estórias em forma de música. Boa música, diga-se de passagem. Tanto é que a banda de Campinas (SP), que já tocou com a Eluveitie, foi confirmada para o show de abertura dos criadores do folk metal, Cruachan, na próxima quarta-feira (12), em sua primeira passagem pelo Brasil.

Às vésperas do show, o Portal do Inferno conversou com o bardo Gordo Elfo (vocal, multi-instrumentista, compositor) para saber um pouco mais sobre a Lochránn, conforme você pode conferir a seguir.

Lochránn

Portal do Inferno: Olá! Gostaria que você fizesse um breve histórico da banda.
Gordo Elfo: Olá! Bem, a proposta inicial veio em 2006, quando eu nem era o vocalista; era o baterista de um projeto de banda folk com mais dois amigos. Com o tempo esses amigos foram deixando o projeto de lado, e eu segui compondo músicas, e aprendendo a tocar tin whistle. Em 2007 resolvi reunir outros amigos para que formássemos a Lóchrann do jeito que ela é hoje.

P.I.: Como se deu a escolha do nome Lóchrann (tocha, lanterna – corrija-me se estiver errado o significado) para a banda?
Gordo: Certíssimo! Ao pé da letra, Lóchrann significa lamparina/lanterna/tocha, porém o termo tem um significado histórico muito bonito. Na época em que a Irlanda sofria nas mãos da dominação Inglesa, qualquer pessoa que era pega por soldados ingleses na rua depois de determinada hora da noite era presa. Algumas casas funcionavam como refúgio para os jovens rebeldes irlandeses que lutavam pela liberdade de seu país. Essas casas tinham uma lamparina específica pendurada na varanda, as tais Lóchrann.

P.I.: E o interesse pela mitologia celta, como surgiu?
Gordo: Desde criança tive contato com jogos de RPG, e como todos sabem, existe uma linha bem tênue entre a fantasia e a mitologia. Fui crescendo e querendo saber de onde vinham os fatores inspiradores das historias que eu tanto gostava, daí resolvi estudar as mitologias antigas.

Dentre todas que estudei, a mitologia celta foi a que mais me agradou, e por isso me despertou maior interesse.

P.I.: Quais as principais influências musicais da banda como um todo e pessoais?
Gordo: A banda procura trabalhar com influências tais como Schandmaul, Flogging Molly, Fiddler’s Green, Elvenking, Mago de Oz e todas elas fazem parte do meu gosto pessoal, além disso, posso dizer que sou apaixonado por rock progressivo, mais especificamente RUSH, portanto é inegável que existe alguma influência deles nas minhas composições.

P.I.: Foi difícil encontrar pessoas com os mesmos interesses musicais e que tocassem instrumentos como gaita de foles, bodrhán, etc, já que são instrumentos não muito conhecidos aqui no Brasil? Aliás, acredito que não é muito fácil adquirir esses instrumentos também; como vocês fizeram?
Gordo: Pra ser sincero, não!

Tive sorte de ter bastante amigos que ao mesmo tempo são versáteis instrumentistas.

Realmente existe uma dificuldade bem grande de conseguir os instrumentos. A maioria foi importada por sites internacionais, outros eu mesmo fui buscar na Irlanda, e outros tivemos que manda fazer por luthier, o que gera um gasto bem grande.

Lochránn

P.I.: A banda passou ou ainda passa por dificuldades por tocarem folk metal? Digo isso em relação a shows, pois a Lóchrann tem vários integrantes e vários instrumentos (necessários ao estilo), o que pode gerar alguns problemas com tamanho de palco, microfonação, coisas do tipo.
Gordo: Com certeza. Infelizmente nem sempre contamos com boa infra-estrutura de palco.

Às vezes é pequeno demais, às vezes não tem equipamentos de qualidade. Os instrumentos tradicionais possuem amplificação super delicada, e precisam ser passados várias vezes para que a grande massa sonora, causada pelo acúmulo de instrumentos tocados ao mesmo tempo, não embole o resultado final.

P.I.: Vocês fizeram a abertura para o Eluveitie no começo do ano em Curitiba (PR), certo? Como foi tocar com eles?
Gordo: Fantástico! São pessoas muito legais e carinhosas com os fãs!

Tivemos nosso primeiro contato com o público de Curitiba, que foi simplesmente sensacional conosco. Uma experiência muito valiosa.

P.I.: E a expectativa para o show com o Cruachan? Muito ansiosos?
Gordo: Demais! Não vejo a hora de vê-los ao vivo. É uma das bandas fundadoras do estilo, portanto influência para todos os fanáticos por folk metal.

É ótimo poder tocar com aqueles que você admira.

P.I.: Como você vê o aumento de eventos e festivais com temática medieval, e até mesmo de bandas do estilo, aqui no Brasil? Acha que isso faz com que bandas estrangeiras e produtores resolvam fazer mais shows no país?
Gordo: Com certeza. O cenário do folk metal tem crescido muito, principalmente no estado de São Paulo e, hoje em dia, contamos com bandas muito competentes. O aparecimento dessas bandas intensificou o alcance do estilo e muitas pessoas começaram a gostar da temática e se interessar pela cena. Com o aumento dos fãs, o trabalho de trazer as bandas estrangeiras pra cá foi bem facilitado.

Lochránn

P.I.: Qual sua opinião sobre paganismo no Brasil?
Gordo: Acredito que o interesse pelas religiões antigas vem crescendo junto com a cena musical, pois o folk metal, seja ele viking ou Celtic, tem relação íntima com a filosofia pagã. É natural que a pessoa que começa a ouvir o estilo crie interesse pela cultura dos povos em questão. Torço para que, cada vez mais, isso venha crescendo e que o paganismo seja estudado com seriedade, e seguido por aqueles que tenham respeito pela religiosidade antiga.

P.I.: Pode-se dizer que cada música da Lóchrann é um pequeno conto, quem é o principal responsável pelas letras? Como se dá o processo de composição das músicas?
Gordo: Sim, sim! Todas as letras foram feitas por mim (Gordo), e todas elas contam uma história. Bom, acredito que não exista uma fórmula para compor. Geralmente eu me inspiro com coisas que eu gosto. Componho uma letra depois que leio um livro interessante, assisto um filme legal, jogo um jogo diferente ou ouço uma música que desperta um sentimento único. Já acordei no meio da madrugada porque sonhei com alguma melodia e passei o resto das horas transcrevendo ela de dentro da minha cabeça.

P.I.: O primeiro álbum da banda, Moonlight Dance, está prestes a ser lançado e já teve a arte da capa divulgada. Como andam os preparativos para o lançamento desse cd?
Gordo: Depois de algum tempo de estúdio, chegamos na reta final. Apenas alguns acertos e partimos para a fazer de mixagem e masterização do cd. Depois disso é só prensar e colocar nas prateleiras. Ânimo é o que não falta!

P.I.: Para finalizar, gostaria que deixasse uma mensagem aos leitores do Portal do Inferno.
Gordo: Peço que continuem com o suporte a Lóchrann, somos eternamente gratos pela força do pessoal.

Compareçam aos eventos e ouçam as bandas da cena.

Confiram nosso canal no Youtube: http://www.youtube.com/user/bandalochrann

E fiquem de olho no Facebook da banda para informações sobre shows e o cd! http://www.facebook.com/bandalochrann?ref=ts

P.I.: Muito obrigada pela entrevista, ótimo show com o Cruachan e sucesso ao Lóchrann!
Gordo: Agradeço ao Portal Inferno e a todos os leitores pela oportunidade. Foi um prazer conversar com vocês!

WE WILL FOLK YOU!

Portal do Inferno

Portal do Inferno é um site especializado em notícias do rock n roll ao metal extremo, resenhas, entrevistas e cobertura de shows e eventos!