No sábado, 10 de março, até o tempo louco de São Paulo colaborou para que os góticos paulistanos tirassem seus sobretudos do guarda-roupa para ir ao show do The Sisters of Mercy. Os ingleses não passavam por terras brasileiras há três anos, e chegaram ao Via Funchal para única apresentação.

A noite começou com o DJ Eric Marke comandando as pick-ups e aquecendo o público. Com as luzes da casa completamente acesas (e as do palco completamente apagadas, com apenas uma luz direcionada ao DJ) ficou difícil criar um clima de balada. Eric tocou clássicos dos anos 80 e 90, como David Bowie, The Cult, entre outros. Mas a atenção dos fãs estava 100% voltada para a atração principal.

Às 22h, com uma pontualidade britânica que não é de se estranhar nesse caso, luzes e fumaça no palco anunciavam que era hora de Andrew Eldrich, Doktor Avalanche, Chris Catalyst e Ben Christo darem início ao momento tão esperado. O clima não poderia ser mais a cara da banda: escuridão na plateia, show de luzes no palco. A noite começou com Kiss the Carpet e o que se viu daí em diante foi uma banda compenetrada em executar a sua função. Embora o setlist fosse relativamente longo, com 21 músicas e três entradas, o show foi rápido e direto, não chegou a duas horas de duração.

Durante esse tempo, a Via Funchal se transformou em uma grande pista de dança, com boas execuções de Crash and Burn, Amphetamine Logic, Summer, On the Wire, Flood II, entre tantos outros hits que não podem faltar no repertório do The Sisters of Mercy. De presença obrigatória no setlist e em qualquer manifestação gótica oitentista, Lucretia, My Reflection e More foram os pontos altos da noite. Boa parte das músicas, como a própria More, tiveram seus tempos reduzidos, desapontado muitos fãs. Andrew Eldrich mostrou uma performance impecável. Sua voz grave trouxe para os dias de hoje as lembranças de mais de 30 anos de banda e, ao vivo, se encaixa tão bem com os elementos eletrônicos e guitarras quanto nas gravações originais. No entanto, o líder se ateve a simplesmente cantar. As únicas trocas de palavras com o público aconteceram na saída para os bis.

A noite terminou com a trinca Rain from Heaven, Temple of Love e Vision Thing. Andrew fez uma grande reverência ao público, se despediu e saiu do palco, enquanto Ben e Chris também agradeciam a presença de todos. O show havia acabado, mas, mesmo assim, ninguém saiu da casa, até que as luzes da Via Funchal se acenderam, mostrando que, realmente, era o fim da noite. The Sisters of Mercy fez um bom show, mas essa ansiedade do público mostrou que talvez pudesse ter acontecido um pouco mais.

Setlist:

Kiss the Carpet
Ribbons
Doctor Jeep/ Detonation Boulevard
Crash and Burn
Alice
Amphetamine Logic
Arms
Dominion/ Mother Russia
Summer
On the wire
Gift that shines
First and Last and Always
This Corrosion
Pipeline
More
Flood II

Bis 1

Something Fast
Lucretia, My Reflection

Bis 2

Rain from Heaven
Temple of Love
Vision Thing

Renata Santos

Sou formada em jornalismo e colaboro com sites de música há quase dez anos. Integro a equipe do Portal do Inferno desde 2011.

Deixe um comentário