Por: (Arte Metal)

O experiente duo Willian Marante (baixo/bateria programa, INFERNALIUM, LOST GRAVEYARD) e Victor Prospero (baixo/programação, ex-EVIL MAYHEM, ABSYDE, JUSTABELI, NECROMESIS, SEVENTH SEAL e outros) formam o SCULPTURE que vem com uma proposta de certa forma diferente.

A dupla aposta na música instrumental, porém que foge do tradicional quando se trata do assunto. Isto é, nada de virtuosismo ou masturbações de instrumentos serão encontrados aqui, afinal o negócio é música mesmo, e da mais extrema, diga-se de passagem. O Black Metal tem prioridade e tudo que caracteriza a música negra se faz presente.

Se utilizando de timbres agudos e ríspidos, típicos do estilo, a dupla executa um instrumental em forma de música, com boa distribuição nos instrumentos. Inclusive na bateria programada, que soa versátil e mais natural que muita coisa ‘humana’ que vemos por aí, até no timbre inclusive.

Com uma boa variação rítmica e riqueza nos arranjos, as composições possuem um clima gélido e sombrio, até mesmo nos momentos mais rápidos e agressivos que são a grande maioria. Incursões de passagens mais brandas (com direito a dedilhados de baixo) e uma boa melodia enriquecem mais ainda as faixas, que aliás, são longas, mas não cansam o ouvinte.

Quando se faz uma análise de música, é bom tentar entender as opções e gostos dos músicos, aliás, no mínimo respeitar. Mas, apesar da excelência que é “To Another Place”, a ausência de vocais no trabalho fez falta naturalmente, ou seja, a sonoridade da banda pede. De qualquer forma, um dos melhores trabalhos do ano no estilo.

Sculpture - To Another Place

Nota: 9,0

Tracklist:

  1. Turn the Pages of Times
  2. Through Infinite Horizons
  3. Voices to Unconscious Revelations
  4. Fragments of Deep Reflections
  5. In the Echoes of Centuries
  6. A Journey to the Empty and Perennial Silence

Link sobre a banda: 

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.