Kreator: Mille Petrozza “ Metal foi sempre sobre os direitos humanos, eo sentido comum de não tolerar estupidez e governo bullsh * t”

O líder do Kreator, Mille Petrozza, reflete sobre quatro décadas de surras, crescer em uma Alemanha dividida e a relação entre heavy metal e política …

Mille Petrozza ainda era literalmente um estudante quando fez seu primeiro álbum. Tendo formado o Kreator aos 14 anos em Essen, Alemanha, sob o nome de Metal Militia, em março de 1985 o jovem guitarrista se viu aos 17, em um estúdio de gravação em Berlim, com um contrato de gravação e material suficiente para fazer o álbum de estreia de sua banda, Endless Dor.

Ele também tinha, ele admite hoje, muito pouca ideia do que estava fazendo. Mas isso não importou. Carregado com a energia caótica da juventude, e percebendo que eles tinham uma oportunidade não concedida a muitas bandas em sua terra natal, de qualquer idade – não havia, ele diz, realmente uma cena para falar nos primeiros dias – a estreia do Kreator os preparou como uma nova referência genuinamente feroz para o thrash, ela mesma superada por seu rápido seguimento, o essencial Pleasure To Kill de 1986. Junto com Sodom, Destruction e Tankard, a banda de Mille fez parte da resposta da Alemanha ao thrash americano’ Big Four’ do Metallica, Megadeth, Anthrax e assassino; uma versão mais dura, rápida e agressiva de suas contrapartes americanas, com o latido áspero de Mille sendo uma característica particularmente eficaz e distinta. Dentro desse círculo, o Kreator não era apenas o maior, mas também o melhor, com álbuns como Extreme Aggression de 1989 e o incontestável Coma Of Souls de 1990 levando a habilidade e aggro da música em um ataque afiado que permanece mortal hoje. A influência deles, entretanto, foi enorme no thrash e crucial para o black metal e death metal cenas que se seguiriam.

Eles combinaram isso com a sensação de que estavam sempre do lado certo das coisas. Apesar de não ser expressamente político, Mille tem falado abertamente em expulsar o racismo da cena do metal, enquanto seu foco lírico frequentemente aborda temas de injustiça, direitos humanos e observação da crescente loucura do mundo.

Durante o bloqueio, na ausência de ser capaz de pegar a estrada com Lamb Of God através da Europa e do Reino Unido como previsto, ele está ocupado trabalhando no que será Kreator do 15 º álbum, o acompanhamento para 2017 ‘s excelentes deuses de violência. Antes disso, porém, eles lançaram Under The Guillotine, uma caixa de vinil contendo seus primeiros seis álbuns, um DVD ao vivo e um enorme livro de capa dura em uma caixa em formato de guilhotina. Quando ele olha para trás, embora tenha sido um turno muito, muito longo na fábrica de thrash, Mille também admite que, “Eu ainda me sinto assim mesmo adolescente quando nós jogamos …”

Como você entrou na música?

“Eu cresci no’ 70 s, então eu acho que foi, basicamente, a música que estava ao redor da casa. Meu pai era um grande fã de ópera italiana e música italiana em geral. Teríamos esses programas na Alemanha, programas de TV como Top Of The Pops, onde você teria bandas chegando, então eu ouviria tudo que estava na TV. Entrei nas coisas disco que estavam por aí na época, como The Village People, Rod Stewart, Bee Gees, coisas assim. E logo depois descobri o lado pesado da música através do KISS. Quando você é criança, acho que isso o coloca nisso, porque eu era um grande fã de histórias em quadrinhos e o KISS parecia ter saído direto de uma história em quadrinhos. ”

O que te fez querer pegar uma guitarra?

“Basicamente, o fato de que havia uma loja de guitarra que tinha uma venda. Comprei uma guitarra por 200 marcos alemães, que custou talvez 70 libras. Cinco ou seis de meus amigos também compraram a mesma guitarra, então começamos a banda. Assim que entrei no KISS e hard rock e New Wave Of British Heavy Metal, queríamos começar nossa própria banda. Começamos com cinco guitarristas! Isso porque todos os meus amigos tinham a mesma guitarra barata. E a cada ensaio haveria uma pessoa a menos aparecendo – no final éramos três de nós. Continuamos ensaiando todas as semanas, duas ou três vezes, e quando algum lugar não nos deixava ensaiar, nós nos mudávamos – começamos no porão da casa do nosso então baixista, e depois nos mudamos para uma escola. No começo tocávamos covers de Judas Priest, Iron Maiden, KISS e partimos daí. Nunca parei! ”

Como foi crescer como um jovem fã de metal na Alemanha no início ‘ 80 s?

“Eu vi meu primeiro show, quando eu tinha 12 – Kiss com o Iron Maiden se abrindo. A cena estava meio que … ainda não estava lá. Havia essas revistas pop onde você podia ler sobre KISS, Iron Maiden e Judas Priest, e haveria uma foto com o artigo e você diria,’ Oh homem, isso é tão misteriosa, eu quero ver essas bandas ao vivo.’ Havia um grande mito em torno de todas essas bandas por causa disso. Mas tivemos sorte porque em Essen havia o Grugahalle, que é um lugar famoso onde os Beatles fizeram seu primeiro show na Alemanha, e muitas das bandas de rock da velha escola da’ 70 s sempre jogar lá. Então íamos ver o Whitesnake, pelo menos cinco vezes, porque eles sempre tocavam. Eu vi o Judas Priest na turnê Point Of Entry, com a abertura Accept. Houve um show que foi muito importante. Foi Judas Priest, Iron Maiden, Def Leppard, Ozzy Osbourne, Michael Schenker, todos tocaram.’ 83 ou’ 84. Era como um festival em uma arena com dois palcos. O Iron Maiden estreou em um palco, então no outro o Scorpions tocaria.

“Eu diria que de 82 a 85 que foi um momento muito importante – quando o primeiro disco do Metallica saiu, que é quando a cena estava explodindo, porque um monte de pessoas saíram da toca como,’ Sim, eu sou um fã de metal.’ Na Alemanha, tínhamos esses clubes de metal [como gangues] que eram de cidades pequenas, eles usavam coletes jeans e coisas do fã-clube, então era assim que funcionava e era naquela época. Nós nos encontrávamos com essas pessoas e então começava a comercialização de fitas. Era de base, eu diria. Na verdade não havia revistas. Havia um da Holanda chamado Aardshock e, claro, Kerrang! estava por aí naquela época. Alemão e holandês, como línguas, não são tão distantes, então pegaríamos Aardshock e tentaríamos descobrir sobre o que eles estavam falando”.

Como foi seu primeiro show?

“Nós éramos adolescentes. Tínhamos 14 anos. Nós nem tínhamos um nome ainda. Éramos apenas parte deste centro de cultura jovem, onde ensaiamos, e eles disseram:’ Você tem que desempenhar um show.’ Então nós criamos esse setlist que continha músicas do Twisted Sister, músicas do Judas Priest, alguns originais, e nós tocaríamos. Foi muito pouco profissional, mas funcionou! E então fizemos outro show, e outro, e foi quando assinamos e gravamos o primeiro álbum. Quando gravamos o primeiro álbum, fizemos três, talvez quatro shows. ”

Como foi ser mandado para o estúdio, sem ter feito muito como uma banda?

“Nossa, em seguida, chamado gerência que era basicamente um amigo, ele enviou uma fita para Noise Records e SPV e ruído nos assinado. E quando recebi a mensagem, fui,’ Nós ainda não estão prontos.’ Esse foi meu primeiro sentimento! Eu pensei,” Nós não somos profissional – como podemos entrar em um estúdio e gravar um álbum? Mas então todos ficaram tão entusiasmados que eu disse,’ Quer saber? Vamos tentar.’ Você pode ouvir isso em Endless Pain – você pode ouvir o desleixo, que foi baseado no fato de que não tínhamos tocado muito ao vivo. Então nós nos encontramos em 1985, ainda muito jovens, tendo feito quatro shows, entrando em um estúdio de gravação profissional para fazer um álbum, e o cara do estúdio estava tirando sarro de nós (risos). Ele não foi uma grande ajuda. A única coisa que ele fez foi organizar um violão. A guitarra que eu tocava naquela época estava sempre desafinada, então ele contatou um cara profissional do rock de Berlim que trouxe sua guitarra para que eu pudesse gravar o álbum afinado! ”

Quais eram suas esperanças e sonhos?

“Como você disse, um sonho. Todos nós ainda estávamos na escola quando fomos a Berlim pela primeira vez. Tivemos que pedir ao meu primo que nos levasse lá porque nenhum de nós tinha carteira de motorista, então pensamos,’ Isso é emocionante, mas onde é que ele leva?’ Não existia plano de carreira ou algo organizado como,’ Isto é o que vamos fazer em seguida, e há uma turnê.’ Nada como isso. A única coisa que aconteceu depois de gravarmos o álbum foi uma ligação da gravadora,’ Ok, você vai fazer outro álbum.’”

Mesmo por thrash das normas, você era muito agressivo, mais ainda do que Slayer. De onde veio isso?

“Não faço ideia. Acho que foi exatamente o que saiu de nós na época. Como eu disse, éramos muito jovens e acho que tínhamos em nós essa energia que era incontrolável. Mesmo no estúdio, eu ia para a cabine dos vocais e apenas gritava sem pensar nisso. Tudo que você ouve no primeiro álbum é pura euforia adolescente -‘ Cara, isso é tão grande! Estamos em Berlim, gravando um álbum! Uau!’ Éramos fãs de Destruction, Helloween e Running Wild, e eles estavam no estúdio um pouco antes de nós, então sentíamos que fazíamos parte disso. Então a agressão provavelmente veio da adrenalina que sentimos, e isso é algo que tento manter hoje também. ”

Houve um ponto em que você percebeu que essa coisa poderia ser sua vida?

“Isso foi quando eu estava na escola. Eu fui para uma escola de negócios na Alemanha e de repente surgiu esse plano. Tínhamos um gerente que trabalhava para a Noise e ele queria abrir uma empresa de gerenciamento e as coisas ficaram mais organizadas. Recebemos um convite da nossa banda favorita na época, Voivod . Eles queriam que abríssemos sua turnê pelos Estados Unidos e nós pensamos,’ Whoa, eu não posso acreditar que isso está acontecendo.’ Então, a escolha teve que ser feita, por mim. Eu disse ao meu professor,’ Eu vou sair em turnê’, e ele disse:’ Você não vai fazer seus exames, se você ir a este passeio.’ Então, larguei a escola e fiz o tour, e daquele ponto em diante, nunca fiz nada sério, por assim dizer. Tornou-se meu trabalho muito naturalmente. Mas não é um trabalho; é uma paixão. Tive muita sorte de ter a oportunidade de fazer isso. ”

Como foi a turnê do Voivod?

“Foi tudo muito DIY. Às vezes, dormíamos na casa das pessoas. Do contrário, íamos para um Motel 6 e alugávamos um quarto para duas pessoas, onde dormiríamos quatro pessoas. Todos na banda, menos eu, eram fumantes, e todas as manhãs começavam a fumar, até na van. Essa foi a única coisa negativa! Mas para nós, sendo de Essen, na Alemanha, era um grande sonho tocar nos Estados Unidos, parecia irreal. Tocamos de tudo, desde pizzarias a arenas naquela turnê, foi realmente estranho. Claro, as arenas não estavam lotadas, mas era assim que funcionava naquela época. Lembro que às vezes a afluência era muito ruim, apenas 70 pessoas apareciam algumas noites, e o Voivod dizia,’ Homem Ah, apenas a 70 ?!’ mas eu nem pensei sobre isso, eu estava animado por tocar nos EUA para 70 pessoas. ”

Cresci na Alemanha no ‘ 70 s e’ 80 s quando ainda era dividida em Leste e Oeste têm um efeito sobre a forma como você olhar para o mundo?

“Essa é uma boa pergunta. Tenho parentes que moravam na parte oriental, e quando gravamos os primeiros dois álbuns tivemos que passar pelo oriente. Havia uma maneira que quando você passava de carro, você passava por uma fronteira, com controles e costumes muito rígidos, e você atravessava e parecia que o mundo inteiro ficava mais escuro. Então, sim, eu acho que subconscientemente houve uma influência. Nós sabíamos muito bem porque a Alemanha estava dividida e sabíamos muito bem da situação – era estranho, não consigo pensar em muitos países onde há um muro que a divide. Sabíamos que era especial, sabíamos que era errado. E éramos parte da história quando o muro caiu e as coisas mudaram, e tivemos a oportunidade de experimentar bandas da Alemanha Oriental pela primeira vez, como o Rammstein, de quem não teríamos ouvido falar se o muro não tivesse caído. Definitivamente, havia uma vibração no’ 80 s que vieram de ser dividido e tendo a parede, embora eu realmente não penso sobre isso no momento. Obviamente, sabíamos que não era normal, mas era assim que as coisas eram e, quando desabou, não era mais normal. Vivemos alguns tempos históricos lá. ”

Você sempre falou no palco sobre racismo. Na Wacken em 2008, você disse como estava preocupado com o “Há pessoas no metal que acho que é legal ser racista”. Além do Napalm Death, não havia nenhuma outra banda de metal na época falando assim nos shows. De onde vem essa importância para você?

“É apenas algo que eu digo às vezes quando eu sinto como dizê-lo. Às vezes acho que deveria ser bom senso e você não deveria ter que dizer isso. Eu sinto que é importante, talvez se eu ouvir algo sobre alguma ação racista estúpida acontecendo durante o dia. Acho que a cena do metal, pelo que entendi quando comecei tudo isso, era parte dessa comunidade mundial com pessoas vindas de todos os lugares – pessoas que eram tão diferentes e de muitas origens diferentes. Éramos como uma comunidade que apoiava uns aos outros e, de repente, houve um momento em que parte da cena achava que era legal discriminar as pessoas, usar a palavra n ou qualquer outra coisa, ou apenas inventar essa coisa de supremacia branca. Eu apenas pensei,’ Não, não é assim que eu entendo metal.’ Quando eu digo essas coisas no palco, eu só quero deixar claro o que o Kreator representa. Estamos vindo de um cenário muito político. Até o Metallica foi político em algum momento. Sempre foi sobre direitos humanos e o bom senso de não tolerar estupidez e besteiras do governo. Acho que é daí que vem. Sei que às vezes irrita as pessoas porque elas se distraem de seu entretenimento, mas às vezes acho que é necessário. ”

Você diria que é um escritor político?

“Depende de como você define política. Para mim, parece que estou escrevendo em um nível humano. Estou escrevendo sobre injustiça. Se escrever sobre injustiça me torna político … Não apoio partido nenhum, de direita, de esquerda, seja o que for, para mim é só bom senso. Eu sou como,” Ok, quando você é um metalhead você ficar rotulado como um esquisitão suja que está apenas vivendo no porão e vai para concertos e ouve música alta, você está sempre presente esquisitão. Então eu acho que se é político falar sobre isso nas minhas letras, que eu não acho que seja certo você julgar as pessoas por sua aparência ou crenças ou qualquer outra coisa, isso é político, eu acho. ”

‘ Social’ pode ser uma palavra melhor, então …

“Absolutamente. É um bom termo. Para mim, um político é, tipo, Dead Kennedys, e as primeiras coisas do hardcore. Essas eram bandas políticas. Acho que o Kreator sempre esteve no limite de falar sobre algumas questões políticas, mas também sobre escapismo, falar sobre mundos de fantasia e terror e outras coisas. Eu mesmo não nos chamaria de banda política. Existem bandas que são muito mais políticas do que nós. Estou escrevendo em um nível mais humano. ”

Qual foi a sensação de montar a caixa e relembrar as memórias?

“É muito legal. Eles encontraram algumas fotos que eu nunca vi, ou se vi, eu esqueci. Também montamos um minidocumentário que gostei muito, e tem tantas coisas boas nele que eu esqueci totalmente. Tem um show lá de 1990, a turnê com o Death in Germany, com todas as músicas do Coma Of Souls que não tocávamos há um tempo. Há muitos itens de colecionador lá. Às vezes penso que um boxset é para colecionadores e para pessoas que podem não ter os discos antigos porque o preço do eBay por eles está além do aceitável. Estou feliz que você possa conseguir tudo por um preço legal! ”

Você está surpreso que tenha durado tanto tempo, quase 40 anos?

“Agora nós estamos falando sobre o passado, eu ver o quadro inteiro, mas eu geralmente se concentram no próximo álbum. Eu termino um, então faço turnê, e então penso em como me expressar musicalmente. Trinta e cinco anos depois, ainda estou fazendo isso. Eu nunca vejo isso como uma carreira ou algo assim. Hoje em dia estou mais organizado, dou passos estratégicos sobre como faremos a turnê de cada álbum e todo esse tipo de coisa, mas foi tudo passo a passo quando começamos. Mas sim, já faz muito tempo quando você para e olha para ele – é assim que sua vida passa rápido!”

Fonte: https://www.kerrang.com/features/kreators-mille-petrozza-metal-was-always-about-human-rights-and-common-sense-of-not-tolerating-stupidity-and-government-bullsht/