Dimmu Borgir – Carioca Club – São Paulo/SP

Dimmu BorgirOito anos. Foi esse o tempo que os fãs brasileiros tiveram que esperar para ver novamente o Dimmu Borgir, um dos maiores nomes do Black Metal norueguês. De lá para cá, muita coisa mudou na banda, especialmente com a “saída” de Vortex e Mustis, em 2009. A ausência desses músicos, inclusive, poderia ter sido um fato decisivo para muitos fãs deixarem de ir ao show, mas, em plena terça-feira, o que se viu foi um Carioca Club lotado de gente muito empolgada com o que estava por vir.

Pontualmente às 21 horas, as luzes do Carioca Club se apagaram, o telão que exibia um jogo de vôlei foi recolhido e a plateia enlouqueceu. Uma longa introdução foi o sinal para os integrantes ocuparem seus postos. Já era de conhecimento geral que o Dimmu Borgir estava fazendo um show com duas partes, sendo a primeira com o álbum Enthrone Darkness Triumphant (1997) praticamente na íntegra e Mourning Place iniciou a noite, seguida por Spellbound (by the Devil) e In Death’s Embrace. Shagrath, muito expressivo (até teatral), conduziu muito bem o público o tempo todo.

Entre uma música e outra, o vocalista trocava algumas palavras com os fãs, agradecia pela presença e até arriscava um “obrigado” em tímido português carregado de sotaque norueguês. A primeira parte do show continuou com Relinquishment of Spirit and Flesh, The Night Masquerade, Tormentor of Christian Souls, A Succubus in Rapture e Raabjørn Speiler Draugheimens Skodde. Apesar de constarem no setlist, Prudence’s Fall, Entrance e Master of Disharmony ficaram de fora do show.

A banda saiu do palco e músicas instrumentais preparavam o clima para a segunda parte do show. O primeiro a voltar foi o baterista Daray, que “se escondeu” atrás de seu enorme kit de bateria e executou um ótimo solo. Quando todos retornaram aos seus postos, Vredesbyrd, do álbum Death Cult Armageddon, e Kings of the Carnival Creation, de Puritanical Euphoric Misanthropia, levaram o público para os grandes tempos antigos da banda. A fase mais recente, do álbum Abrahadabra (2010), foi representada rapidamente com as músicas Dimmu Borgir, Ritualist e Gateways, em seguida, Puritania fechou a segunda parte do setlist. Mais uma breve pausa para a banda e Gerlioz veio até a frente do palco para filmar toda a galera. A banda começou a puxar as palmas do público para The Serpentine Offering e, depois, a aguardadíssima Progenies of the Great Apocalypse encerrou aquelas quase duas horas de show.

Dimmu Borgir

O trio Shagrath, Silenoz e Galder, ao lado de Daray, Cyrus e Gerlioz, que acompanham a turnê, fizeram uma passagem memorável por São Paulo. As comparações com a antiga formação e com o show de 2004 são inevitáveis e talvez os próprios integrantes não se surpreendam com isso. Os fãs tiveram um papel fundamental nesse show, sempre reagindo com muitos gritos, aplausos e cantando todas as músicas como se fossem as últimas que ouviriam na vida – em alguns momentos, inclusive, cantando mais alto que a banda. O maior sinal de que a noite foi um sucesso foi exatamente esse: casa cheia no meio da semana e as pessoas voltando para casa descabeladas, roucas e sem acreditar no que tinham acabado de viver. São Paulo foi a cidade escolhida para encerrar a The South American Tour 2012, que passou por oito países e, com certeza, os fãs deixaram ótimas impressões para a banda. Agora, resta ficar na torcida para que não sejam necessários mais oito anos para o Dimmu Borgir voltar e enlouquecer os fãs brasileiros.

Setlist:

Parte 1

Mourning Place
Spellbound (by the Devil)
In Death’s Embrace
Relinquishment of Spirit and Flesh
The Night Masquerade
Tormentor of Christian Souls
A Succubus in Rapture
Raabjørn Speiler Draugheimens Skodde

Parte 2

Drum solo – Daray
Vredesbyrd
Kings of the Carnival Creation
Dimmu Borgir
Ritualist
Gateways
Puritania

Bis

The Serpentine Offering
Progenies of the Great Apocalypse

Clique aqui para ver todas as fotos deste show!
Clique aqui para ver mais vídeos no canal do Portal do Inferno no Youtube!

Sou formada em jornalismo e colaboro com sites de música há quase dez anos. Integro a equipe do Portal do Inferno desde 2011.

Deixe uma resposta