Indo muito além de todas as expectativas, Sebastian Bach conseguiu a façanha de encher o Carioca Club por duas noites. Por mais que para alguns isso pode não significar muita coisa, pois é uma casa “pequena”, aposto minhas fichas que ele lotaria um terceiro, se houvesse. O fato é que Tião, como foi carinhosamente apelidado em 2010 pelo público brasileiro, abriu um túnel do tempo e na terça-feira, 17 de abril, a plateia do Carioca Club voltou um pouco para a década de 1980 e se divertiu demais.

A noite começou com o show de abertura dos paulistanos da MadJoker. A banda apresentou seus trabalhos autorais do EP O Homem Duplo, mas não empolgou a galera que chegava à casa. Os dois pontos altos do show ficaram por conta da execução de Fuel, do Metallica, e You Could Be Mine, do Guns ‘n’ Roses.

Com fãs, mulheres em sua maioria, com a ansiedade à flor da pele, às 21h45 as cortinas se abriram e Bobby Jarzombek (bateria), Johnny Chromatic (guitarra), Jason Christopher (baixo) e o jovem talento Nick Sterling (guitarra) tomaram seus lugares no palco. Bach chegou com tudo e fez todo mundo pular com Slave to the Grind, um dos tantos sucessos de sua antiga banda, o Skid Row. Em seguida, vieram Kicking & Screaming e Dirty Power, ambas de seu mais recente trabalho solo, de 2011.

Aos 44 anos, Baz ainda é um grande líder, ele sabe do que seu público gosta. O tempo todo foi muito comunicativo, fazia piadas, arriscava algumas palavras em português e tem uma presença de palco intensa. O público retribui com aplausos, gritos, presentes jogados no palco como camisetas e bandeiras do Brasil. O show continuou com outros dois sons do Skid Row, Here I Am e Big Guns. Em seguida, a banda executou duas do primeiro álbum, Angel Down (2007), (Love is) A Bitchslap e Stuck Inside, que na gravação, conta com a participação de Axl Rose. O momento de Skid Row voltou com Piece of Me e, pouco tempo depois de começar, Bach interrompeu a música porque uma briga começava na plateia (confira o momento no vídeo o fim da resenha). O vocalista disse que todos estavam ali para se divertir e, usando o refrão de uma das músicas do Skid Row, puxou o coro com os fãs que gritaram “Get the fuck out!”. Problemas solucionados, a música foi retomada com a mesma energia e emendada com a incrível 18 and Life. Antes de anunciar a próxima música, Bach levou o Carioca ao delírio ao declarar que o público brasileiro é o melhor do mundo e lembrou do show de abertura que fez para o Guns ‘n’ Roses, em 2010, declaradamente um dos melhores momentos de sua carreira. O set seguiu com o cover de PainmuseuM, American Metalhead, que Tião carinhosamente cantou “Brazilian” Metalhead, para homenagear seus fãs.

Um momento muito especial dos shows dessa turnê é quando Bach canta alguns trechos de músicas à capela. As músicas mudam de tempos em tempos e, na terça, ele escolheu Breaking Down, Quicksand Jesus e In a Darkened Room, e o público fez bonito: cantou com emoção e algumas vezes sobressaiu ao próprio vocalista! A banda tocou Caught in a Dream e, antes de começar Monkey Business, Baz brincou com o público e disse que cantaria “Macaco” Business e assim o fez – não só ele como os guitarristas nos backing vocals também, fazendo deste uma das lembranças mais divertidas do show. A noite foi para a sua reta final com mais duas músicas do CD Kicking & Screaming: My Own Worst Enemy e a balada Wishin’, ao fim desta, Baz agradeceu seu público pelos 20 anos de rock ‘n’ roll proporcionados a ele. Os tempos de Skid Row ainda foram lembrados com gritos, choro e emoção em I Remember You. A banda ainda tocou Tunnelvision e, apontando para sua tatuagem no braço direito, Baz indicava que o encerramento da noite seria em grande estilo e com clima de festa com Youth Gone Wild. Ao final, ele apresentou um a um seus companheiros de palco e foi ovacionado quando Johnny o anunciou.

Sebastian Bach, Baz, Tião, chame como quiser, mas não há dúvidas de que o cara e sua banda fizeram um grande show para um grande público. Talvez não grande em proporções, mas enorme em carinho e dedicação recíprocos. Mesmo sem conseguir cantar como fazia há 20 anos, Bach consegue em uma hora e meia viajar pela sua história, contemplando a carreira solo e a banda que o revelou, sem perder a atenção de seus fãs por um momento sequer. Se um dia ele teve um grande problema com o público brasileiro, lá no Monsters of Rock de 96, parece que agora as pazes foram feitas.

 

Set list:

Slave to the Grind
Kicking & Screaming
Dirty Power
Here I Am
Big Guns
(Love is) A Bitchslap
Stuck Inside
Piece of Me
18 and Life
American Metalhead
Breaking Down / Quicksand Jesus / In a Darkened Room (à capela)
Caught in a Dream
Monkey Business
My Own Worst Enemy
Wishin’
I Remember You
Tunnelvision
Youth Gone Wild

 

Clique aqui para ver todas as fotos deste show!
Clique aqui para ver mais vídeos no canal do Portal do Inferno no Youtube!

Renata Santos

Sou formada em jornalismo e colaboro com sites de música há quase dez anos. Integro a equipe do Portal do Inferno desde 2011.

Deixe um comentário