Com a enxurrada de shows ocorrendo no Brasil recentemente, muitas bandas desembarcaram por aqui pela primeira vez. Com mais de 40 anos de estrada, havia chegado finalmente a hora do Blue Öyster Cult se apresentar para os brasileiros na última sexta-feira, 24 de fevereiro.

Conhecida pelas suas canções com inspirações em temas de ficção científica, pontualmente às 22h o grupo subiu ao palco sendo ovacionado por um público que ia de garotos a senhores de meia idade que, se não encheram a cara, fizeram tanto barulho quanto. O tom de ficção científica estava ainda estampado pela roupa do guitarrista/vocalista, Eric Bloom, que vestia uma camiseta fazendo referência à série Jornada nas Estrelas.

Blue Öyster Cult

Com The Red and the Black, faixa de abertura do segundo álbum, teve início um set que cobriu quase toda a discografia da banda entre 1972 e 1985, com exceção dos discos Mirrors e Cultössaurus Erectus. Burnin’ For You, uma das mais conhecidas da banda, surgiu logo no começo, para empolgação geral do público, que se animava com a presença de palco dos membros, principalmente o guitarrista Richie Castellano, que era aplaudido após solos e corria pelo palco, algumas vezes se dirigindo próximo ao público.

Durante as músicas, Eric e Richie se alternavam entre as guitarras e os teclados, e Eric com o outro guitarrista, Buck Dharma, faziam isso com os vocais. A cozinha formada por Jules Radino e o lendário baixista Rudy Sarzo completava o som para que os três guitarristas demonstrassem todo o seu talento como no boogie guiado por Buck Dharma que se seguiu.

Cities on Flame with Rock and Roll e Me262 mantiveram a plateia empolgada, que já parecia advinhar o que viria na sequência, mas não completamente. Eric Bloom anuncia a música desejada por todos, Godzilla, cantada em uníssono. E com ela, veio uma pequena surpresa. Um medley aonde Eric brincou com todas as bandas que Rudy Sarzo havia tocado, desde a banda de Dio, que arrancou aplausos e todas as mãos ao ar com o gesto clássico eternizado por ele, seguido por riffs de Come On Feel The Noize, do Quiet Riot, Here I Go Again, do Whitesnake e Crazy Train, de Ozzy Osbourne, que deu a deixa para o solo de Rudy,  com o riff de Holy Diver, de Dio. Na sequência, o baterista Jules fez o seu solo e a banda voltou para finalizar a canção.

Blue Öyster Cult

Um solo de guitarra serviu de introdução para o outro clássico da banda, (Don’t Fear) The Reaper, com Eric brincando de tocar um “air-cowbell”, uma das características mais conhecidas dessa canção. Após ela, a banda se retirou por um momento para um bis que contou com Perfect Water e Hot Rails To Hell e finalizou o show, apesar dos vários pedidos por Astronomy vindos do público.

Com isso, o grupo se despediu dos fãs, deixando todos com um sorriso por terem visto, finalmente, um dos grupos mais clássicos do rock. Os veteranos deram uma aula de que certas coisas apenas se tornam melhor com o tempo.

Setlist:

The Red and the Black
The Golden Age of Leather
Burnin’ for You
Buck’s Boogie
Shooting Shark
Cities on Flame with Rock And Roll
Then Came the Last Days of May
Me262
Godzilla (solo de baixo / solo de bateria)
Solo de guitarra
(Don’t Fear) The Reaper

Bis

Perfect Water
Hot Rails to Hell

Deixe um comentário