Mr. Big e Jorn Lande – HSBC Brasil – São Paulo/SP

  • Post author:

Casa lotada, com ingressos esgotados. Aquelas milhares de pessoas que saíram de suas casas no sábado, 9 de julho, em direção ao HSBC Brasil, com certeza não esperavam tantas situações surpreendentes em uma mesma noite. Mr. Big, a lendária banda de hard rock, estava de volta ao Brasil, após 18 anos. Mas antes, Jorn Lande trouxe um pouco do seu heavy metal para a plateia.

Jorn Lande

Esta foi a primeira apresentação do norueguês Jorn Lande (Masterplan, Yngwie Malmsteen, Avantasia, etc.) e sua banda no Brasil. Todos sabiam que Jorn estava excursionando com o Mr. Big pela América do Sul, mas quem imaginava um “simples” show de abertura se enganou. Acompanhado por Tore Moren (guitarra), Tor Erik Mihre (guitarra), Nic Angileri (baixo) e Willy Bendiksen (bateria), Jorn apresentou um show completo, com cerca de uma hora e meia e 14 músicas – que incluíram uma cover e até solo de bateria.

Jorn e companhia fizeram muito bem seu trabalho, mas não empolgaram tanto o público. O auge deste show e que animou mais os presentes foi a cover de “Rainbow in the Dark”, de Ronnie James Dio. No mais, a banda arrancou aplausos e coros para acompanhar algumas músicas e, tecnicamente, o show foi muito bom, mas era visível que a grande empolgação do público estava guardada para mais tarde.

Mr. Big

As luzes da casa se apagaram, para anunciar a chegada dos donos da noite, às 23h. O show do Mr. Big reservou muitos momentos especiais, com direito ao virtuosismo de Paul Gilbert, ao carisma de Billy Sheehan, à simpatia e piadas de Eric Martin e à discrição de Pat Torpey. Não é novidade para ninguém que nesta turnê a banda não tocaria as músicas da fase “Kotzen”, com isso, canções como “Shine” e “Superfantastic” ficaram de fora. Baladas da era “Gilbert”, como “Promise Her the Moon”, “Nothing But Love” e “Wild World” (cover de Cat Stevens) também não entraram para o setlist.

Logo no início, com “Daddy, Brother, Lover, Little Boy”, o público já estava enlouquecido e “Green-Tinted Sixties Mind”, em seguida, reforçou essa ideia. A nova “Undertow”, do mais recente álbum “What If…”, estava na ponta da língua de todos, como se já fosse um grande clássico. “Alive and Kickin’”, “American Beauty” e “Take Cover” deram sequência à lista de grandes músicas que a banda colecionou em mais de 20 anos de carreira. Durante os intervalos os músicos interagiram muito com os fãs, arriscando os clássicos agradecimentos em português desajeitado. Então, chegava a hora da primeira grande balada da noite, “Just Take My Heart”, para os casais apaixonados ou donos de corações partidos. Em seguida, o Mr. Big tocou “Once Upon a Time” e os fãs continuavam ligados no 220V.

Tão grave quanto suas notas no baixo, a voz de Billy Sheehan acompanhou Eric Martin nos versos de “A Little Too Loose”. O setlist seguiu com “Road to Ruin” e, então, Eric descreveu a sua mulher ideal: “Ela deve reunir beleza e inteligência, mas, acima de tudo, ser impiedosa”, dando o gancho para “Merciless”. Eric, Billy e Pat saíram do palco e deram lugar ao solo de Paul Gilbert, que mostrou porque é um dos maiores guitarristas do mundo. A banda voltou para tocar “Still Ain’t Enough for Me” e, depois, momentos intensos e engraçados estavam reservados para “Price You Gotta Pay”. Primeiro, porque a música durou mais de dez minutos, segundo, Billy fez um solo incrível de gaita, enquanto Eric não deixou a linha de baixo cair, e, depois Martin tentou bancar o cupido, puxando os gritos dos homens e das mulheres e soltando frases como “agora vocês (garotos) sabem onde as garotas estão”. Ainda no clima de amor e bom humor, o vocalista ensinou um mantra e disse que se fosse entoado com vontade, todos teriam sexo e chocolate no dia seguinte.

A banda ainda tocou “Take a Walk”, “Around the World” e “As Far as I Can See” antes de ceder a vez e o palco a Billy Sheehan. O baixista mostrou toda a sua técnica e manteve o público em suas mãos o tempo todo. Sheehan foi ovacionado várias vezes, provando ser, talvez, o integrante mais querido. A primeira parte chegou ao fim com “Addicted to that Rush”, a banda se despediu do público, deixou o palco, mas todos sabiam que não poderia ser “apenas aquilo”.

O Mr. Big voltou, Eric Martin apresentou cada um dos integrantes e o violão nas mãos de Paul Gilbert anunciou o que todos já sabiam: era hora de “To Be With You”, um momento épico do show. Então, latidos levantaram o público e “Colorado Bulldog” não deixou ninguém parado. De repente, no intervalo, Paul tomou o lugar de Pat, que pegou o posto de Billy, que assumiu o microfone de Eric, que, por fim, tocou a guitarra de Paul. Confuso? Não! Essa foi a hora que os integrantes trocaram de instrumentos para tocar “Smoke On the Water”, do Deep Purple. Vale destacar, mais uma vez, a participação de Billy Sheehan, que reapareceu com a camisa da seleção brasileira de futebol, cantou e ainda assumiu a guitarra na hora do solo. O relógio marcava uma hora da manhã, quando a última música foi tocada: “Shy Boy”, cover da banda Talas, um dos primeiros trabalhos de Billy, antes de tocar com David Lee Roth e Mr. Big.

Muito aplaudidos, os integrantes se despediram. Billy disse que o show que eles fizeram em Santos, em 1993 (a única passagem da banda pelo País, até então), havia sido uma das melhores noites da vida deles e que eles contavam para todo mundo sobre esse show. Eric agradeceu muito e falou diversas vezes que o Mr. Big estava de volta.

A banda poderia tocar por mais uma hora e ainda faltaria tempo para tantas músicas indispensáveis. Definitivamente, este foi um show para ficar na memória. A energia entre músicos e público foi sentida e vivida intensamente. Aos fãs do Mr. Big, resta torcer para que este retorno resulte em mais shows aqui no Brasil, afinal, Eric Martin já é quase de casa, conhece bem o caminho.

Setlist Jorn Lande:

Road of the Cross
Shadow People
Below
Promises
World Gone Mad
We Brought the Angels Down
The Inner Road
Man of the Dark
Blacksong
Soul of the Wind
Lonely Are the Brave

Bis:

Song for Ronnie James
Rainbow in the Dark
War of the World

Setlist Mr. Big:

Daddy, Brother, Lover, Little Boy
Green-Tinted Sixties Mind
Undertow
Alive and Kickin’
American Beauty
Take Cover
Just Take My Heart
Once Upon a Time
A Little Too Loose
Road to Ruin
Merciless
Guitar solo – Paul Gilbert
Still Ain’t Enough for Me
Price You Gotta Pay
Take a Walk
Around the World
As Far as I Can See
Bass solo – Billy Sheehan
Addicted to That Rush

Bis 1:

To Be With You
Colorado Bulldog

Bis 2:

Smoke on the Water (Deep Purple)
Shy Boy (Talas)

Clique aqui para ver todas as fotos deste show!

Redação

Portal do Inferno é um site especializado em notícias do rock n roll ao metal extremo, resenhas, entrevistas e cobertura de shows e eventos!

Deixe um comentário