Em um sábado no qual a cidade estava lotada com shows agradando o público de vários estilos do heavy metal, os americanos do Trivium fizeram um dos shows mais intensos e esperados do ano. Acompanhados pelo Dragonforce, a banda tocou pela primeira vez na America do Sul e ao Brasil, na turnê de seu mais recente trabalho,In Waves, lançado no ano passado. 


A abertura da noite ficou a cargo dos paranaenses do Last Sigh que, competentemente, aqueceram o público que encheu o Via Marquês nessa noite. Apesar de alguns problemas com o som durante o show, seu set de pouco mais de 30 minutos, apresentando as canções do álbum Beneath The Flesh, Rotten, empolgou e arrancou aplausos da plateia. Com Dawn of The Dead a banda se despediu do público agradecendo ao público que já havia entrado, assim como a produção pela oportunidade. 

Mesmo o pequeno atraso em relação ao horário programado não tirou o ânimo da plateia quando o Dragonforce subiu ao palco trazendo o novo vocalista Marc Hudson, que entrou ano passado, substituindo ZP Theart. Apesar da pequena falha com o baixo volume do vocal logo no início, Marc se mostrou uma excelente escolha para a banda, se encaixando perfeitamente nas canções antigas.

Uma plataforma foi montada na frente do palco para que os membros da banda subissem durante a performance, e nela se alternavam normalmente os guitarristas Herman Li e Sam Totman nos inúmeros e impressionantes solos, assim como o vocalista em vários momentos. Marc recebeu uma bandeira do público e disse que os brasileiros faziam jus ao que contaram a ele, já que é a primeira vez por aqui e, assim, anunciou uma música antiga que todos mereciam ouvir. E Through The Fire And The Flames seguida de Valley of The Damned encerraram o show de quase uma hora. 

Enquanto os roadies corriam para a troca de palco, era possível perceber o clima que tomava conta da Via Marquês. Um coro de “Ole, ole, ole, Trivium, Trivium” foi entoado enquanto todos aguardavam a banda extremamente esperada. E às 21h15, o piano de Capsizing The Sea deu a deixa para que In Waves domine uma plateia já ganha logo na primeira música. 

Comunicativo e carismático o vocalista e guitarrista Matt Heafy apresentou a banda com um “Nós somos o Trivium” em português e agradeceu, além de elogiar a empolgação do público, que respondia a todas as indicações dele para pular, bater palmas ou cantar se soubessem a música. Também elogiou as comidas, a carne e, obviamente, a caipirinha brasileira, além de prometer que enquanto o público se manter assim, sempre estarão por aqui. 

Músicas novas, como Dusk Dismantled e Built To Fall, foram extremamente bem recebidas, assim como Ember To Inferno, faixa-título do primeiro álbum. Os vários momentos nos quais o público cantou partes da guitarra junto impressionaram o vocalista, que disse que nos Estados Unidos isso não ocorre, pois só aqui sabem fazer. Detonation e Torn Between Scylla and Charybdis foram outros dois destaques da noite. 

Sem pausa para bis, a banda fez uma apresentação intensa, que deixou um público completamente extasiado com muitos comentários positivos na saída do show, ao som da instrumental. Em sua primeira vinda ao Brasil, o Trivium fez uma apresentação memorável que pode, com certeza, contar na lista das melhores ocorridas em São Paulo esse ano.

 

Setlist Dragonforce:

Die by the Sword 
Operation Ground and Pound 
Cry Thunder 
Heroes of Our Time 
Seasons 
Soldiers of the Wasteland 
Fallen World 
Holding On 
Through the Fire and Flames 
Valley of the Damned 

Setlist Trivium:

Capsizing The Sea 
In Waves 
Pull Harder on the Strings of Your Martyr 
Rain 
Into the Mouth of Hell We March 
Down From the Sky 
Built to Fall 
The Deceived 
Dusk Dismantled 
Detonation 
Ember to Inferno 
Like Light to the Flies 
Caustic Are the Ties That Bind 
A Gunshot to the Head of Trepidation 
Torn Between Scylla and Charybdis 
Throes of Perdition 
Leaving This World Behind 

Deixe um comentário