Por: (Arte Metal)

Apesar de auto-intitulado, “Carniça” é o quarto álbum desta tradicional banda do Metal extremo gaúcho. O atual power-trio está junto desde 1991, lembrando que a banda teve um hiato de quatro anos e retornou em 2008, estando com Mauriano Lustosa (vocal / baixo), Parahim Neto (guitarra) e  Marlo Lustosa (bateria).

Com um trabalho potente que fica entre o ‘old school’ e o atemporal, a banda conta com um instrumental agressivo focado nas bases do Thrash Metal. Ouça os riffs de Terrorzone que abre o disco (após uma intro) de forma dinâmica e apropriada e confirme isso.

Revolução Farroupilha, que é variada e conta com uma variação rítmica variada é outro destaque, incluindo suas incursões acústicas que enriqueceram demais a composição. Ela é cantada em português, assim como a outra faixa que leva o nome da banda e possui uma brutalidade intensa.

Falando em brutalidade, o CARNIÇA soa com um pé no Death Metal, não só devido ao peso, mas à velocidade que impõe em alguns momentos. Destaque também para a The Putrid Kingdom, mais uma que apresenta uma variação rítmica interessante. É bom mencionar que a banda gravou um cover para Midnight Queen do SARCÓFAGO que ficou bem interessante. Ousada, a versão ficou com a cara da banda, mas sem perder sua característica.

A produção da própria banda e de Augusto Haack também colabora para o saldo positivo do disco, soando bem natural e atual, além de acima da média. “Carniça” é um disco que cresce no conceito a cada audição, porém pede atenção, apesar de ser objetivo e agressivo.

Carniça - Carniça

Nota: 8,5

Tracklist:

  1. The March (of the Rotten Souls)
  2. Terrorzone
  3. Revolução Farroupilha
  4. War Games to Die
  5. Carniça
  6. The Old Butcher
  7. The Putrid Kingdom
  8. Midnight Queen

Link sobre a banda:

Facebook

Vitor Franceschini

Jornalista graduado, editor do Blog Arte Metal.