Grave Digger e Blind Guardian – Credicard Hall – São Paulo/SP

Quebrando uma tradição quase olímpica de intervalos com quatro anos em média entre seus shows em terras brasileiras, o Blind Guardian retornou a São Paulo com pouco mais de seis meses desde a última apresentação. Acompanhados dessa vez pelo Grave Digger, que também esteve por aqui no ano passado, e contando com o Shaman de abertura, os bardos alemães supreenderam os presentes com um set diferente e grande empolgação, apesar dos problemas nos dias anteriores envolvendo o Metal Open Air.

Por um motivo não explicado, já que o flyer de divulgação informava o horário marcado para às 21h, os shows começaram bem mais cedo. Dessa forma, muitos (inclusive eu) perderam o show do Shaman que tocou para poucos e, infelizmente, o começo da apresentação do Grave Digger, que iniciou seu show meia hora antes do previsto. Mesmo com o público ainda chegando e a casa pela metade, o vocalista Chris Boltendahl exibia um sorriso em seu rosto enquanto ia de um lado a outro do palco, empolgando a galera e desfilando clássicos da banda. Com exceção de The Curse of Jacques, todas as canções constaram no setlist da apresentação do ano passado, no Carioca Club. Mas isso não diminuiu a empolgação do público, que não deixou de cantar todas as músicas. Dessa forma, o final com Rebellion (The Clans Are Marching) e Heavy Metal Breakdown para uma casa, agora mais cheia, contou com a participação empolgada de todos.

As cortinas se fecham e rapidamente a equipe do Credicard Hall retira os equipamentos do Grave Digger para às 22h ter início o show do Blind Guardian. Abrindo o setlist com Sacred Worlds, a banda entra no palco com uma empolgação extra, inclusive com um Hansi Kursch muito mais ativo que o costume, andando mais pelo palco e arriscando até breves pulinhos. A cada música, ele fazia uma pausa para falar brevemente sobre a próxima a ser executada, mas em quase todas foi interrompido por um coro de “olê, olê, guardian”. Comunicativo, disse que foi informado que os presentes teriam de correr para pegar o último trem, por isso a banda aceleria um pouco as coisas.

Blind Guardian

A participação do público era impressionante, tratando-se de uma segunda feira, e músicas novas como Tanelorn (Into The Void) eram tão bem recebidas quanto clássicos como Lost In The Twilight Hall. Repetindo o ano passado, quando a música foi colocada “no grito” pois não constava na lista, de acordo com fotos do set, o público pedia por Majesty e Hansi brincou dizendo para a banda ignorá-los pois a próxima música era sobre os deuses nórdicos. Com Valhalla, o Credicard Hall vem abaixo, com o público mantendo o refrão ao final por quase quatro minutos, a ponto de Hansi perguntar para André quantas vezes mais eles deveriam deixar a plateia cantar essa parte. Novamente pedidos do público e dessa vez, o Blind Guardian atende executa Majesty. Uma breve pausa acústica com A Past And Future Secret foi seguida da nova, e bem recebida, A Voice In The Dark para, então, encerrar a primeira parte do show com uma música que não era executada pela banda.

O longo bis teve início com as luzes apagadas e os sons de batalha de War of Wrath ecoando pela casa tendo o diálogo entre Morgoth e Sauron repetido aos berros por boa parte dos fãs e assim uma sequência de Into The Storm e Lord of The Rings é executada. Um fato curioso era um fã na pista vip que, ao contrário do que é comum, pulava e segurava um livro ao alto durante essas músicas. Presume-se que era uma obra de Tolkien. Para a surpresa de todos, Hansi diz que por ser uma segunda-feira, era um bom dia tocar as duas partes de The Bard’s Song. Por fim, Mirror Mirror fecha a apresentação, cantada em uníssono.

Blind Guardian

Duas horas de apresentação e a “noite dos bardos” tem o seu fim. O público dispersou rapidamente para pegar as últimas conduções do dia, e a banda prometeu, pelo facebook, voltar em breve e incluir em todos os shows do Brasil The Last Candle, que foi pedida várias vezes pelos fãs. E que dessa vez, não volte a manter a tradição de quase quatro anos de espera entre cada vinda.

Setlist Grave Digger:

The Round Table (Forever)
Hammer of the Scots
Ballad of a Hangman
The Curse of Jacques
Excalibur
Twilight of the Gods / Circle of Witches / The Grave Dancer / Twilight of the Gods
Knights of the Cross
Highland Farewell
The Last Supper
Rebellion (The Clans are Marching)
Heavy Metal Breakdown

Setlist Blind Guardian:

Sacred Worlds
Born in a Mourning Hall
Nightfall
Turn the Page
Tanelorn (Into the Void)
Lost in the Twilight Hall
Time Stands Still (at the Iron Hill)
Valhalla
Majesty
A Past and Future Secret
A Voice in the Dark
The Piper’s Calling
Somewhere Far Beyond

Bis

War of Wrath
Into the Storm
Lord of the Rings
Wheel of Time
The Bard’s Song – In the Forest
The Bard’s Song – The Hobbit
Mirror Mirror

Clique aqui para ver todas as fotos deste show!

Deixe um comentário